Tambaú terá 300 celebrantes na beatificação de padre Donizetti

135

Um altar gigantesco em forma de cruz, com 75 metros de comprimento por 15 de largura, vai receber os mais de 300 celebrantes da cerimônia de beatificação do padre Donizetti Tavares de Lima, neste sábado, 23, em Tambaú, interior de São Paulo. A solenidade oficializa o decreto de beatificação promulgado em abril deste ano pelo papa Francisco, abrindo caminho para a canonização do padre. A Igreja Católica mobiliza dois mil parceiros e voluntários nos preparativos para a festa.

Conforme o padre Anderson Godoi de Oliveira, da comissão pró-beatificação, cerca de 80 mil fiéis são esperados na cidade de 23,2 mil habitantes para a festa. A celebração principal será conduzida pelo cardeal Giovanni Angelo Becciu, presidente da Congregação da Causa dos Santos, que representará o papa Francisco. Até esta segunda-feira, 18, estavam confirmados para concelebrar a cerimônia dois cardeais, 25 bispos e 288 sacerdotes.

O evento será realizado na Chácara do Padre, um terreno amplo em frente à Igreja São José, adquirido pelo padre Donizetti quando ele vivia em Tambaú. O altar está em fase de montagem. Na igreja de São José, será inaugurada a sala dedicada ao beato. A imagem oficial do padre, confeccionada por artistas de Nápoles, na Itália, será apresentada durante a solenidade.

A prefeitura investe em infraestrutura para receber os visitantes. O município, que já recebe 200 mil visitantes por ano, graças ao padre, espera que o turismo religioso aumente após a beatificação. O terminal turístico passou por reforma e as ruas da cidade estão sendo recapeadas. Banners do padre patrocinados por empresas e moradores locais estão sendo fixados em toda a cidade. A Polícia Militar vai convocar policiais de outras cidades para reforçar a segurança durante o evento.

O religioso nasceu em janeiro de 1882 em Cássia (MG), mas viveu 35 anos em Tambaú, onde foi sacerdote atuante e realizou obras sociais até sua morte, em junho de 1961. Padre Donizetti fundou o Asilo São Vicente de Paulo, a Associação de Proteção à Maternidade e Infância, a Congregação Maria, a Irmandade Filhas de Maria e o Círculo Operário Tambauense. A antiga casa paroquial onde ele viveu foi transformada em museu.

O milagre reconhecido pelo Vaticano que levou à beatificação do Padre Donizetti é a cura do menino Bruno Henrique Arruda de Oliveira. Ele nasceu com uma deformidade conhecida como pé torto congênito bilateral e não conseguiria andar. A família invocou a intercessão do religioso. O menino apresentou cura instantânea, completa e duradoura, inexplicável à luz da medicina.

Qual sua opinião? Deixe um comentário: