População desaprova os atuais vereadores de Rio Claro

177

Antonio Archangelo

Ao serem perguntados sobre como avaliam a atuação dos atuais vereadores de Rio Claro, 41,5% dos entrevistados pela Pesquisa Limite/JC reprovam a atual legislatura, sendo que 17,5% consideram a atual legislatura como “ruim” e 24% como “péssima”.

Em relação à aprovação, quando são somadas as avaliações “ótima” e “boa”, o índice é de apenas 14,8%; sendo 1,1% como “ótima” e 13,7% como “boa”. Outros 35,4% consideram a atuação dos atuais vereadores como “regulares”. E 8,3% não responderam.

Na região que vai do Residencial Florença, Arco-Íris, Vila São Miguel até a Vila Aparecida, o índice de aprovação chegou a 20,5%. No restante do município, o índice de desaprovação ficou na casa dos 40%. Na região que vai do Jardim Floridiana, Cervezão até o Wenzel, a desaprovação dos atuais vereadores chega a 46,5%, como pode ser consultado no resultado estratificado logo abaixo.

AVALIAÇÃO

Para o coordenador de Projeto da Limite Consultoria e Pesquisa de Marketing, Luís Fernando Formigari, o resultado da avaliação dos atuais vereadores está ligado à baixa participação dos eleitores no dia a dia do Legislativo. “Em todos os locais e cidades avaliados, a aprovação do Legislativo é baixa. Acredito que o resulto reflete muito a não participação do eleitor no dia a dia das câmaras”, opinou Formigari.

Já, ao cientista político Ítalo Lorenzon, “a rejeição em si não é novidade”. “O brasileiro tem, tradicionalmente, um espírito de desconfiança com relação ao poder público”, disse.

PESQUISA

A Pesquisa Limite/JC registrada na Justiça Eleitoral sob o número SP 00819/2016 foi contratada pelo Jornal Cidade e realizada pela Limite Consultoria e Pesquisas de Marketing entre os dias 16 e 19 de agosto, sendo entrevistados 708 eleitores da cidade de Rio Claro. A metodologia empregada foi entrevista pessoal individual. A margem de erro é de 3,7% e o intervalo de confiança de 95%.

1 COMENTÁRIO

  1. A redemocratização do Brasil se fez de uma forma perversa para a população brasileira, pois de um lado surgiu o político profissional com visão de interesses pessoais principalmente financeiro e de outro uma esquerda que não coloca limites entre o privado e o público, utilizando de maneira exagerada a política assistencialista sem contra partida a independência e dignidade do cidadão. Todos são iguais perante à lei e portanto devem ser tratados igualmente para acabar com a lei dos mais espertos. Acredito que o bom vereador deve colocar a cidade acima de qualquer interesse, seja pessoal ou partidário, deixando de lado a vaidade pessoal e apoiando as boas ideias. Ninguém deve fazer nada pra merecer uma estátua em praça pública ou pra se perpetuar no poder e sim pra uma cidade melhor pra toda a população, mas pra isso tem que sentir o prazer de ser útil ao mundo de alguma forma, mesmo que não tenha reconhecimento. Se tudo isso é uma utopia para muitos aí fica difícil imaginarmos que teremos algum político bem avaliado, porque até agora apenas somos enganados, pois muitos dos políticos anistiados pelo regime militar estão de volta às prisões em pleno regime democrático.

Qual sua opinião? Deixe um comentário: