Pipas: época de férias requer maior atenção nas ruas

187

Lucas Calore

Pai e filho soltam pipa em lugar aberto no Jardim América
Pai e filho soltam pipa em lugar aberto no Jardim América

Início de férias combina com crianças nas ruas. De 1° a 31 de julho, acontecem as férias escolares das unidades estaduais de ensino. Com mais tempo para brincar, muitos jovens aproveitam para fazer algo muito comum: soltar pipas.

Todo cuidado é pouco para a brincadeira, visto que é proibido o uso de cerol, um material cortante colocado na linha da pipa para ‘cortar’ outras no alto.

Diversão

Já com dias livres para curtir, o jovem Davi do Amaral, de nove anos, e seu pai Tiago foram até o espaço central entre a Avenida Brasil e a Rua 3-A, no Jardim América, onde é feito o Carnaval de Rio Claro, para soltar pipas.

“Meu pai mostrou uma foto do que pode acontecer se usar cortante”, disse a criança. O pai afirmou ao JC que escolheu ir até aquele local, pois há bastante espaço aberto e com pouca fiação elétrica, ao contrário do bairro Vila Verde, onde residem.

“Pipódromo”

Sergio Paulo, dono de um comércio onde também vende pipas, fala da importância de se criar um espaço próprio para a soltura do brinquedo, sem que esse ofereça riscos para a comunidade e para quem está empinando.

Ele vende cerca de 200 pipas por dia no bairro Cervezão, região mais populosa de Rio Claro. Questionada, a Prefeitura Municipal diz que para atender a sugestão de “criação de um parque “pipódromo”, longe da fiação elétrica e que não ofereça riscos para a população, seria necessário instalar o referido parque em área rural, distante da área urbana.

Vendedor Sergio Paulo  em sua loja no Cervezão
Vendedor Sergio Paulo em sua loja no Cervezão

Fiscalização

Em Rio Claro, o trabalho preventivo e de orientação sobre cerol é feito através de atividades do Programa Guarda Educacional (Geduc) desenvolvido pela Guarda Civil em Parceria com a Secretaria Municipal de Educação e Defesa Civil.

O trabalho com alunos do 3º ano do ensino fundamental, na faixa etária entre 8 e 9 anos, aborda questões como violência, os perigos da linha do cerol e a prevenção de drogas ilícitas e lícitas e suas maléficas consequências para a vida dos cidadãos. O projeto desenvolve questões de cidadania, segurança e defesa civil.

Rondas

Durante rondas, os guardas civis fazem, quando necessário, a abordagem para verificar se as linhas utilizadas nas pipas estão com cerol, se for constatado o uso desse produto proibido, o material é apreendido.

Qual sua opinião? Deixe um comentário: