Livro retrata a trajetória de José Felício Castellano, o Gijo

503

Adriel Arvolea

Ele nasceu no mesmo ano de importantes nomes da nossa história, como Rainha Elizabeth II e Fidel Castro. Sua vida dedicou à promoção social. É criador e idealizador de ações e projetos voltados às áreas educacional, esportiva e cultural. Homem forte, reconhecido por seus grandes feitos e detentor de um legado que se perpetuará por gerações. Ele é José Felício Castellano, o Gijo.

Aos 91 anos, receberá mais uma homenagem em vida. No segundo semestre deste ano, será lançado o livro ‘Gijo’, que retrata sua trajetória, reúne acontecimentos memoráveis e tantos outros detalhes. Idealizado pelos irmãos Luiz Felipe e Luiz Guilherme Martelli, é uma homenagem ao patrono do Centro de Atividades do Trabalhador (CAT) Sesi Rio Claro.

“Nós, ex-alunos do Sesi, idealizamos este livro para homenagear o patrono do nosso CAT, o senhor José Felício Castellano, que empresta seu nome à unidade. É um grande homem de fato, à frente do seu tempo, um exemplo de como deveríamos ser, uma história honrada que temos o prazer de editar e eternizar neste livro ilustrado para que todos nos tornemos aprendizes de sua vida”, comenta Luiz Felipe.

Dois livros - escritos por ex-alunos e amigos - são em sua homenagem (fotos: Gijo e Aliança Foto&Vídeo)
Dois livros – escritos por ex-alunos e amigos – são em sua homenagem (fotos: Gijo e Aliança Foto&Vídeo)

Com tiragem de 500 exemplares, foram necessários oito anos para concluir o projeto. “O próprio Gijo participou ativamente da concepção do trabalho, sempre acrescentando informações e novos materiais. Nesse tempo, colhemos e selecionamos o conteúdo para compor a publicação”, reforça o idealizador.

Inicialmente seriam apenas 20 páginas, mas que saltaram para 118, para poder contar sobre a vida do assessor especial da Superintendência do Sesi-SP, que também foi vereador em Rio Claro, deputado estadual por seis legislaturas, 1º-secretário de Estado da Promoção Social, entre outros cargos.

Para o próprio homenageado, trata-se de uma expressiva retribuição por parte daqueles que um dia fizeram parte do Sesi. “É algo muito significativo para mim. Uma homenagem de quem um dia utilizou os serviços do Sesi e, agora, retribui desta forma”, avalia Gijo.

Luiz Gonzaga Renosto, diretor do Sesi Rio Claro, acredita que o livro “representa a história de uma pessoa que trabalhou imensamente por Rio Claro e merece ser contada”.

Qual sua opinião? Deixe um comentário: