O acidente com um ônibus clandestino que caiu em uma ribanceira na altura do km 184 da Rodovia Washington Luís (SP-310), no dia 18 de julho deste ano, segue tendo desdobramentos e o delegado seccional de Rio Claro, Dr. Paulo Hadich, recebeu a reportagem do JC para falar sobre o apurado até o momento.

Na oportunidade três passageiros morreram, vários ficaram feridos e o motorista fugiu do local.

“O tombamento aconteceu por conta da quebra da barra de direção, esse é o primeiro ponto. O chassi encontrado no veículo pertence a um outro ônibus (ICL 8813) que em 2006 se envolveu em um acidente em Arequipa, sul do Peru, quando levava estudantes da Universidade Federal de Minas Gerais para um Fórum. Nesta ocorrência quatro estudantes morreram e 25 ficaram feridos. Além disso mais dois fatos foram constatados no laudo: placa pertence a um outro ônibus em circulação pelo Mato Grosso e a carroceria que está nele não é a que consta na documentação, ou seja, várias irregularidades”, disse o Seccional.

A autoridade também pontua que a investigação segue em torno de mais respostas: “Ao que parece esse ônibus foi montado usando várias peças, cada uma de um lugar e o que queremos elucidar é se esse fator também foi determinante para o desdobramento trágico. Neste contexto queremos alertar a população sobre o perigo do transporte clandestino. Mesmo que o ônibus esteja em excelentes condições, a forma de trabalho dos motoristas não é tão boa assim. Eles acabam se revezando em apenas dois. É impossível alguém dirigir 12 horas por dias durante três dias seguidos, dormindo mal, inadequadamente e estar em condições de continuar na condução. Não foi o caso de Rio Claro, mas a grande maioria dos acidentes no transporte clandestino é por falha humana ocasionada pelo cansaço e isso é importante salientar”.

A sua assinatura é fundamental para continuarmos a oferecer informação de qualidade e credibilidade. Apoie o jornalismo do Jornal Cidade. Clique aqui.

Mais em Segurança:

Professora é assaltada em Rio Claro por ex-aluno