Estudo de abertura da Avenida 1 é tema de debate em Rio Claro

556

A prefeitura de Rio Claro estuda a possibilidade de reabrir a Avenida 1 no trecho que hoje integra a área do Jardim Público, entre as ruas 3 e 4. A retomada dos estudos para a possível alteração foi confirmada ao Jornal Cidade pelo prefeito Juninho da Padaria.

A proposta de mudança no trecho gerou debate nas redes sociais, com internautas se posicionando contra ou a favor da possibilidade de reabertura da Avenida 1, porém, para os comerciantes que trabalham no local, a notícia não pareceu ser vista com maus olhos.

“Acho que não atrapalharia a gente que trabalha aqui na praça, seria uma mudança boa e que deixaria a área até mais bonita. Se realmente não atrapalhar e deixarem a gente continuar trabalhando por aqui, acho que seria algo bom para a cidade”, comentou a comerciante ambulante Cleuza Melo, que realiza vendas no Jardim Público.

Quem também trabalha no local, há muito tempo, é Antonio Luiz Cristaldo, que também acredita que a mudança pode ser favorável: “Por questões de patrimônio e tal, acho difícil que seja realizada esta alteração, mas, se for algo para melhorar a cidade, que seja bem-vindo. Além disso precisaria ver como fica a situação nossa como comerciante aqui, mesmo que precisem alterar alguma lei pra podermos continuar trabalhando. Não interferindo na nossa oportunidade de trabalho aqui, não vejo problema algum”.

Outra figura da comunidade rio-clarense que é a favor da reabertura do trecho é o advogado José Carlos de Carvalho Carneiro: “Há alguns decênios, a Avenida 1 tinha início na Rua 1 e terminava bem após as ruas 12 e 13, passando altaneira pelo meio do Jardim Público, onde circulavam veículos e pedestres, e sem o impedimento das barraquinhas e lojinhas atualmente existentes. Não havia muitas prostitutas, nem pederastas escandalosos e muito menos bandidinhos escondidos nas penumbras. Reinava um ambiente estritamente familiar. O retorno ao fato histórico é uma homenagem ao patrimônio cultural de uma comunidade. A Avenida 1 era diferente. Por que não se providenciar o retorno ao antigo?”

Mobilidade Urbana

O vice-prefeito e secretário municipal de Segurança Pública e Mobilidade Urbana, Marco Antonio Bellagamba, se pronunciou sobre os benefícios que a alteração traria para o município: “Quanto à mobilidade urbana, essa possibilidade poderá criar uma situação de melhor fluidez no trânsito, uma vez que o Jardim Público equivale a dois quarteirões. Já com relação à segurança pública, creio que viabilizará o controle dos comerciantes no local, uma vez que terão que estar devidamente alocados para o desenvolvimento de suas atividades, assim refletirá na circulação dos pedestres e, consequentemente, uma organização no local”.

Juninho destaca que possibilidade de mudança ainda está em fase de análise

O prefeito João Teixeira Junior, o Juninho da Padaria (DEM), confirmou à reportagem do Jornal Cidade que já foram iniciados os levantamentos a respeito da abertura da via, inclusive as consultas relativas às proteções existentes por conta da praça ser classificada como patrimônio histórico do município desde 2014, pelo Condephaat (Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico do Estado de São Paulo). Mas destaca que, por enquanto, a fase ainda é de análise da proposta.

Fundado há 133 anos, o Jardim Público é formado pelas praças XV de Novembro e Sargento Othoniel Marques Teixeira. No passado, a passagem era aberta na Avenida 1, que dividia as duas praças.

1 COMENTÁRIO

  1. A alteração atual foi feita para unir as duas praças e deixar a area mais atraente.
    . O que deve ser feito e a retirada das barracas (ambulantes) formando um comercio aberto e sem onus para os cofres municipal. Outro ponto importante e o mato em frente a estação e nas calcadas pela cidade toda, não esquecendo também as rampas de acesso as garagens e estacionamentos cujo formato atual e problemático para cadeirantes e outros com dificuldades físicas. Os impostos arrecadados devem ser aplicados em benefício aos contribuintes.

Qual sua opinião? Deixe um comentário: