Jaime Leitão

Ficção e realidade cada vez mais se misturam. De tal forma, que até profissionais que atuam em uma filmagem para garantir a segurança de atores, diretores e técnicos se confundem, colocando em risco a vida dos participantes de uma gravação.

A tragédia mais recente deu-se na última quinta-feira, nos EUA, durante a filmagem do filme “Rust”, com o ator e produtor Alec Baldwin atirando e matando a diretora de fotografia Halyna Hutchins.

O mais incrível de tudo é que o filme “Rust” narra o drama de um avô, interpretado por Alec Baldwin, que está fugindo com o neto, acusado de ter matado uma pessoa acidentalmente. Essa mistura de realidade com ficção se aprofunda ainda mais quando ficamos sabendo do enredo do filme.

O ator, que afirmou estar destroçado após ter cometido involuntariamente esse crime, afirmou que ele perguntou para um dos técnicos se a arma estava segura, sem bala de verdade, só com festim, e a resposta teria sido positiva.

Por mais que haja protocolos para garantir a segurança em filmagens naquele país, há dezenas de casos registrados nas últimas décadas de atores e técnicos que morreram ou ficaram feridos no set de filmagens.

O mais emblemático deles ocorreu durante as filmagens do filme “O Corvo”, em 1993, quando o ator Brandon Lee, filho de Bruce Lee, morreu ao ser atingido por uma bala de verdade, não por uma de festim como deveria ser.

Além de Halyna, foi atingido no ombro o diretor do filme Joel de Souza, mas ele já recebeu alta no hospital.

A morte de Halyna causou grande comoção entre atores, técnicos e público em geral. A alegria e capacidade profissional de Halyna foram exaltadas por seus amigos e colegas. Aos 43 anos, teve a sua carreira de diretora de fotografia e de atriz interrompida brutalmente.

Dias antes desse fato trágico, já havia um clima pesado onde o filme estava sendo rodado devido a problemas de segurança e atraso no pagamento. A pergunta que permanece é: quem colocou a bala letal na arma e por que motivo? Será que foi mesmo um acidente?

Halyna, que é ucraniana, e que cresceu em uma base militar soviética no Círculo Polar Ártico, batalhou para chegar à condição em que se encontrava agora. Adorava cavalos e aproveitava o tempo entre as filmagens para montar. A morte tirou de Halyna a sua alegria, simpatia e talento. Morreu no auge da carreira. Lamentável.

A sua assinatura é fundamental para continuarmos a oferecer informação de qualidade e credibilidade. Apoie o jornalismo do Jornal Cidade. Clique aqui.