Bolsonaro admite, no Japão, preocupação com conflitos no Chile

146

O presidente Jair Bolsonaro admitiu que os conflitos no Chile contra a gestão de Sebastian Piñera preocupam o governo brasileiro, mas evitou se estender no assunto. “Tudo o que acontece na América do Sul a gente se preocupa”, disse o presidente nesta segunda-feira, 21, após ser questionado insistentemente por jornalistas. Ele deu a declaração durante passeio que fez a pé pelas ruas de Tóquio, em suas primeiras horas no Japão.

Bolsonaro reiterou o seu alinhamento com Piñera ao lembrar que o presidente chileno o apoiou em uma sessão da reunião dos países que compõem o G7, em agosto. “O Piñera me apoiou muito no último G7”, comentou Bolsonaro nesta segunda.

O presidente brasileiro se referiu ao período em que protagonizou uma troca de farpas com o presidente da França, Emmanuel Macron, sobre as queimadas na região amazônica. Na volta do G7, Piñera visitou Bolsonaro no Palácio da Alvorada.

Ele não respondeu se entrou em contato com Piñera em meio aos conflitos ou se pretende fazê-lo. Também evitou dar sua opinião sobre o movimento popular que protesta contra sinalização de aumento no preço das passagens de metrô. Os protestos já deixaram sete mortos.

Na primeira atividade em solo japonês, o presidente Bolsonaro visitou o Santuário Meiji, um templo xintoísta localizado no bairro Shibuya, em Tóquio.

Acompanhado do deputado federal Hélio Lopes (PSL-RJ), do ministro do Gabinete de Segurança Institucional, Augusto Heleno, e de outros membros da comitiva presidencial e da Embaixada Brasileira, Bolsonaro participou de um ritual de purificação na entrada do local.

Após a visita ao santuário, o grupo saiu do local caminhando em direção à Rua Takeshita, uma atração turística de Tóquio. No caminho, o presidente foi abordado e tirou fotos com pessoas nas ruas.

Qual sua opinião? Deixe um comentário: