Na palestra, Teresa falou também sobre lei que dá a mesma diretriz à temática indígena

Divulgação

Na palestra, Teresa falou também sobre lei que dá a mesma diretriz à temática indígena
Na palestra, Teresa falou também sobre lei que dá a mesma diretriz à temática indígena

A convite da Fundação Pró-Memória de Indaiatuba, a superintendente do Arquivo Público e Histórico RC, Maria Teresa de Arruda Campos, proferiu palestra no último dia 19 sobre o projeto “A comunidade negra vai à escola”.

O evento foi realizado no Museu Casarão Pau Preto, no centro de Indaiatuba, e contou com a presença de professores de História, membros do conselho da Fundação Pró-Memória, servidores das secretarias de Educação e Cultura de Indaitatuba, representantes da prefeitura de Capivari e integrantes da comunidade negra daquela região.

No encontro ocorreu também o lançamento do livro “Implantação da Lei 10.639/2003: Roteiros”, editado pelo Arquivo Público, que é resultado do projeto “A comunidade negra vai à escola”, desenvolvido em Rio Claro a partir de 2013.

“Apresentamos os desafios e as possibilidades para a implementação da norma que tornou obrigatório o ensino sobre História e Cultura Afro-Brasileira nas escolas brasileiras”, diz Teresa. “A ideia foi contar sobre a nossa experiência em Rio Claro que incluiu capacitação de professores, confecção de gibis, visitas temáticas, conversas griô, exposição de trabalhos etc”, explica Teresa.

A sua assinatura é fundamental para continuarmos a oferecer informação de qualidade e credibilidade. Apoie o jornalismo do Jornal Cidade. Clique aqui.

Mais em Notícias:

Rio Claro vacina contra a Covid nesta 6ª-f a partir das 7h30

Princesa Victoria ganha consultório odontológico