Foram disponibilizadas 132 obras no ponto de bookcrossing do campus que fica em frente à biblioteca. Quase todas as obras foram retiradas no mesmo dia. No total, 129 livros já foram levados

Divulgação

Foram disponibilizadas 132 obras no ponto de bookcrossing do campus que fica em frente à biblioteca. Quase todas as obras foram retiradas no mesmo dia. No total, 129 livros já foram levados
Foram disponibilizadas 132 obras no ponto de bookcrossing do campus que fica em frente à biblioteca. Quase todas as obras foram retiradas no mesmo dia. No total, 129 livros já foram levados

A Biblioteca da Unesp (Universidade Estadual Paulista) de Rio Claro tem realizado um intenso trabalho para incentivar o hábito da leitura. Neste mês, a unidade deu mais um passo para reforçar essa iniciativa. A biblioteca criou um ponto de BookCrossing, movimento que foi criado em 2001 pelo programador norte-americano Ron Hornbaker com o objetivo de transformar o mundo numa biblioteca. O movimento rapidamente se espalhou e hoje tem adeptos em mais de 130 países. No Brasil, o movimento chegou em 2001, alguns meses depois de sua criação. Atualmente o país tem 40 pontos oficiais de BookCrossing.

O lema do BookCrossing é “Ler, Registrar e Libertar”. A ideia é simples: o leitor pega um livro, lê e o devolve num local público ou ponto de BookCrossing para que possa ser lido por outra pessoa. “É uma prática baseada no conceito de libertação do livro, ou seja, um livro é deixado em um lugar público para que ele possa ser descoberto e lido por alguém”, explica a bibliotecária Cristina Marchetti Maia.

A bibliotecária explica que os livros que fazem parte da rede BookCrossing são cadastrados no site www.bookcrossing.com onde é gerado um código de identificação, o BCID (BookCrossing Identification Number), que contém a data de cadastramento e o nome do responsável pela obra. Através desse código é possível rastrear o livro e acompanhar as suas viagens pelas mãos dos leitores.

“Se a pessoa quiser pode entrar no site, localizar a obra, postar comentários e conversar com outros leitores”, comenta. A diretora da Biblioteca da Unesp, Regina Maria Seneda, conta que foram disponibilizadas 132 obras no ponto de bookcrossing do campus que fica em frente a biblioteca. Quase todas as obras foram retiradas no mesmo dia. No total, 129 livros já foram levados. “São livros da literatura nacional e estrangeira que foram conseguidos pela biblioteca através de doações”, informa Regina.

Os temas são variados: romances, poesias, contos, culinária e até mesmo revistas científicas e de entretenimento. A devolução pode ser feita no mesmo ponto onde foi retirado, em outro local ou até mesmo diretamente para outro leitor. “A ideia é libertar o livro facilitando o acesso a ele”, destaca a diretora. De acordo com ela, fica a critério do leitor registrar o livro no site.

Quem já participou do movimento aprova a iniciativa. “É a primeira vez que participo de uma rede de livros e eu não sabia que existia tal movimento, sinto-me animado e feliz. Agradeço essas redes e até mesmo a Biblioteca da Unesp Rio Claro por ter essa iniciativa que envolve os alunos”, postou um participante após ler o livro “O Diabo Vestia Azul” através do bookcrossing. “Fiquei feliz de encontrá-lo”, comentou outro participante ao se deparar com a obra “Trópico de Capricórnio”.

A sua assinatura é fundamental para continuarmos a oferecer informação de qualidade e credibilidade. Apoie o jornalismo do Jornal Cidade. Clique aqui.

Mais em Notícias:

Mais trechos da Rua Jacutinga são recapeados

Rio Claro vacina contra a Covid na 3ª-f a partir das 7h30