Presidente afirma que, sem sede, Escola de Samba UVA não participa do Carnaval

135

Lourenço Favari

Presidente da UVA, Kaira Guastalli, em entrevista logo depois de reunião com administração
Presidente da UVA, Kaira Guastalli, em entrevista logo depois de reunião com administração

Em entrevista, a presidente da escola de samba Unidos da Vila Alemã (UVA), Kaira Guastalli, disse que participou de reunião com a vice-prefeita Olga Salomão e o secretário de Agricultura, Carlos de Lucca, na qual foi informada de que a decisão de cessão do galpão da Vila Martins para agremiação foi revogada.

O encontro, segundo ela, aconteceu no final da tarde dessa sexta-feira (29) e contou com a participação de outros dois membros da escola de samba, da vereadora Raquel Picelli, além de cerca de 15 agricultores.

>>> Uesca elege ordem do Carnaval 2016

“A Olga se disponibilizou a procurar um lugar para acomodar a escola, mas será um lugar provisório”, lamenta, ao frisar que sem sede não é possível trabalhar para o desenvolvimento da agremiação.

Questionada sobre os motivos apresentados no encontro para que a escola não ocupasse o galpão, Kaira explicou que projetos serão desenvolvidos pelos agricultores no local. “O motivo que eles falaram foi que os agricultores têm planos para o espaço.”

Um pouco desestimulada em função da prefeitura ter recuado da decisão, Kaira enfatizou a importância do local para a história da escola, mas acrescentou que, diante do cenário, aceitaria a instalação da sede em outro local. “Não tem mais necessidade de ser no Espaço Livre, mas temos que ter um lugar para chamar de nosso”, enfatiza

Kaira assumiu a presidência da UVA no dia 19 deste mês com a principal meta de conquistar para a agremiação a sede própria. “Sem sede não se cria vínculo, não dá para levantar dinheiro. É meu foco na presidência. Se não conseguirmos um espaço, não vamos desfilar, a UVA estará fora do Carnaval. É isso ou eu renuncio e deixo meu cargo à disposição”, garante.

PREFEITURA

Em contato com a assessoria da prefeitura, a reportagem foi informada de que o gabinete do prefeito desconhece o teor da reunião.

COOPERATIVA

Para a equipe do JC, o presidente da cooperativa dos agricultores, José Roso, disse que também participou da reunião e que a vice-prefeita sugeriu outros locais para a escola de samba. “A Olga falou que existem outros espaços. Depois, os membros da escola acabaram vendo que não tinha como colocar a escola no nosso galpão. Mas não ficou tudo resolvido. Não vamos desistir do nosso espaço”, argumenta.

O CASO

Na sessão da Câmara da última semana, a vereadora Raquel Picelli se posicionou contrária à decisão do prefeito em ceder o galpão do Espaço Livre na Vila Martins para a escola de samba Unidos da Vila Alemã (UVA). O local é ocupado pela Cooperativa dos Agricultores Familiares de Rio Claro e Região, que também criticou a cessão desse espaço.

Qual sua opinião? Deixe um comentário: