O serviço de coleta de materiais recicláveis está comprometido. Isso porque há cerca de um mês que mais de 60 toneladas de resíduos orgânicos separados pelos cooperados da Cooperviva não são retirados do pátio onde é feita a separação dos itens em Rio Claro.

A presidente da cooperativa, a senhora Inair F. de Rocha Marcelino, se queixa. “Não temos mais lugar para colocar as ‘bags’. Antes eles vinham retirar três vezes por semana esse material, toda segunda-feira, quarta-feira e sábados. Às vezes vinham às sextas, também. Agora já tem um mês que não retiram”, afirma. De acordo com a presidente, ligações foram direcionadas por diversas vezes para o departamento responsável da Prefeitura Municipal para que a ação fosse efetivada e o material retirado, no entanto, não foram atendidos.

Inair explica que todo material da coleta seletiva que é recolhido nos mais variados bairros da cidade segue para a cooperativa. No local, 46 cooperados fazem uma nova seleção dos resíduos, uma vez que itens orgânicos – ou seja, não recicláveis – são misturados aos demais. Por mês são 160 toneladas de materiais recolhidos. Do total, 100 toneladas são recicláveis. “O nosso medo é que aconteçam novamente problemas por aqui. Que alguém venha pelo lado de fora e ateie fogo. Não temos vigilantes aqui, somente câmeras de segurança. Já aconteceu isso em outra vez. Nós vamos embora para casa, mas não temos sossego”, explica a presidente.

Prefeitura

No fim da tarde dessa quarta-feira (22), a Secretaria Municipal do Meio Ambiente informou que deu início ao recolhimento do lixo orgânico no local.

Colaboração

Em nota, a Prefeitura ressalta que todos os bairros têm coleta de lixo domiciliar e reforça orientação para que as pessoas façam o descarte correto dos resíduos.

A sua assinatura é fundamental para continuarmos a oferecer informação de qualidade e credibilidade. Apoie o jornalismo do Jornal Cidade. Clique aqui.

Mais em Dia a Dia: