SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Dados divulgados pela Conmebol (Confederação Sul-Americana de Futebol) nesta segunda-feira (21) apontam que houve 140 casos de Covid-19 em pessoas ligadas à realização da Copa América no Brasil.

O relatório divulgado pela entidade não especifica quantas pessoas infectadas fazem parte das seleções que disputam o torneio, mas afirma que a maioria é formada por trabalhadores, membros de delegações e pessoal terceirizado.

De acordo com a confederação, foram realizados 15.235 testes de infecção pelo novo coronavírus. Os 140 resultados positivos equivalem a 0,9% do total.

A Conmebol afirma que todos os envolvidos na competição passam regularmente por exames PCR. Já houve contaminações nas seleções de Venezuela, Colômbia, Chile e Bolívia.

“Além das medidas preventivas, uma intensa campanha de vacinação para todos os membros da família do futebol profissional sul-americano está em andamento desde maio”, diz a entidade em nota.

Os resultados positivos terão amostras encaminhadas para sequenciamento genômico, técnica que verifica se a infecção ocorreu por alguma variante específica do coronavírus.

O protocolo de segurança do evento estipula que os jogadores só podem deixar o hotel para treinos e jogos ou por questões de saúde. Estabelece ainda o uso de voos e ônibus fretados, higienizados antes e depois do uso.

Iniciada no dia 13 de junho, a competição será realizada até 10 de julho. Dez seleções disputam o torneio. O Brasil está no Grupo B, ao lado de Colômbia, Venezuela, Equador e Peru.

Nas duas primeiras rodadas, o time comandado pelo técnico Tite venceu a Venezuela, por 3 a 0, e o Peru, por 4 a 0. Nesta quarta-feira (24), o adversário será a Colômbia, às 21h, no estádio Nilton Santos.

A sua assinatura é fundamental para continuarmos a oferecer informação de qualidade e credibilidade. Apoie o jornalismo do Jornal Cidade. Clique aqui.