Município

Bacalhau é um dos produtos que faz parte do almoço de Páscoa. Outros peixes também são consumidos
Bacalhau é um dos produtos que faz parte do almoço de Páscoa. Outros peixes também são consumidos

O consumo de peixe aumenta na Semana Santa impulsionado pela tradição religiosa. Para fazer economia, os consumidores optam pelos produtos mais em conta que também são saborosos e não pesam no bolso. Levantamento feito pelo JC nos anúncios publicados pelos supermercados aponta que o valor varia de R$ 9,98 a R$ 59,90.

O peixe mais em conta encontrado, dentre os anunciados, é o filé de polaca que no início do mês de março custava R$ 11,90 o quilo e na última semana caiu para R$ 9,98, redução de 19,23%. O bacalhau foi o produto mais anunciado. O quilo do bacalhau zarbo está saindo por R$ 29,90 e lombo de bacalhau a R$ 59,90. Já o bacalhau do porto foi anunciado a R$ 33,90 e R$ 34,90. O bacalhau desfiado sai por R$ 29,90 e o salmão varia de R$ 29,90 a R$ 34,90.

Mas não é somente no preço que o consumidor deve ficar atento. A qualidade do produto também deve ser levada em conta na hora da compra. De acordo com o diretor do Serviço de Inspeção Municipal (Sim) de Rio Claro, Felipe Tauk, o pescado é um alimento saudável e pode ser consumido tranquilamente, desde que observados pontos importantes.

“No caso de pescados embalados, deve-se verificar se a embalagem não está violada e os produtos não podem apresentar partes moles e devem estar armazenados em freezers ou balcões a uma temperatura entre -12 a -18ºC. Além disso, não se deve esquecer de verificar a consistência da carne, a forma de armazenamento e a orientação para o descongelamento”, orienta.

No caso do pescado fresco, o diretor recomenda que o peixe deve estar úmido, firme e sem manchas estranhas na pele, além de apresentar olhos brilhantes e salientes, as guelras bem rosadas e odor agradável. “Recomenda-se exigir pescados e qualquer produto de origem animal com informação de procedência e selo de inspeção (SIF, SISP ou SIM). Também não se deve adquirir produtos sem um rótulo que possibilite identificar a origem e sem um dos selos citados anteriormente”, diz.

A sua assinatura é fundamental para continuarmos a oferecer informação de qualidade e credibilidade. Apoie o jornalismo do Jornal Cidade. Clique aqui.