Foto: Arquivo Pessoal

Aos 90 anos, a artista Olga Cristofoleti Faneco fala sobre sua carreira como professora, pintora e restauradora de obras

A história de vida de Olga Cristofoleti Faneco, de 90 anos, é marcada pela dedicação à arte, à educação e ao restauro de imagens sacras e demais obras de arte na cidade e por toda região.

Filha de pais austríacos, teve dez irmãs e quatro irmãos. Nasceu em Rio Claro e seu amor pela arte recebeu influência direta de seu pai.

“Meu pai gostava muito de arte, sempre que acontecia algum evento na cidade, me levava junto, para que eu pudesse aprender”, relata Olga, que recebeu a reportagem do JC para uma conversa.

Com um legado de conhecimento e valorização do movimento artístico, Olga foi professora, pintora e uma das mais conceituadas restauradas de obras de arte.

Estudou na Escola Estadual “Joaquim Ribeiro” e teve aulas com a professora Ilara Machado, por quem possui uma grande admiração.

“Comecei minha carreira como professora do Ensino Fundamental, após fazer o Magistério no Joaquim Ribeiro, dei aulas em muitos grupos, em Santa Gertrudes também, depois disso dei aulas de artesanato na rede pública de Rio Claro. Foi quando soube da necessidade de um profissional que atuasse na restauração de obras de arte e resolvi aprimorar-me nesta área”, relata a artista.

Dona Olga formou-se no Instituto Técnico de Restauro Domingo Tellechea, em São Paulo, e teve aulas com um professor argentino a quem é muito grata pelo conhecimento que recebeu sobre restauro de telas e esculturas e também peças em bronze.

Preocupada sempre em atualizar seu conhecimento e técnicas, a artista rio-clarense realizou diversos cursos ao longo de sua jornada de valorização da arte, entre eles com o Diretor da Equipe de Restauração da Capela Sistina, Prof. Gianluigi Colalucci. Em Ribeirão Preto, no ano de 2006, Olga Faneco especializou-se em restauração de imagens sacras policromadas e decupagem artística.

RESTAURO

Diversas obras do município e da região foram restauradas pela artista, entre elas imagens sacras localizadas nas paróquias São João Batista, Santa Cruz, Santana, São Judas Tadeu, Bom Jesus, Boa Morte, em Ipeúna, na paróquia de Nossa Senhora da Conceição e também na Capela da Santa Casa.

Restaurou obras também da Pinacoteca Municipal “Pimentel Junior”, Museu Histórico e Pedagógico “Amador Bueno da Veiga”, Museu “Theodor Koelle”, Museu do Eucalipto e outras instituições museológicas. Obras de Fazendas Históricas da Região e Colecionadores Particulares do Brasil.

Dona Olga também entregou à Santa Casa de Misericórdia de Rio Claro uma obra pintada em tela, com a imagem de Jesus Cristo, que foi colocada e permaneceu durante muitos anos no Centro Cirúrgico da unidade hospitalar, com o intuito de abençoar os médicos durante os procedimentos.

Questionada sobre os trabalhos que mais gostou de fazer ao longo de sua carreira como restauradora, Olga Cristofoleti Faneco comenta sobre a imagem restaurada do padroeiro da cidade, São João Batista.

“Gostei de realizar todos os trabalhos, sempre os fiz com muita dedicação e respeito pelas artes, mas a imagem de São João Batista gosto demais”, conta.

Hoje, aposentada, Dona Olga aproveita sua história ao lado daqueles que ama. Mãe de três filhos, Georgina Carolina, psicóloga, Ilídia Maria, funcionária pública e técnica em museu, e Aquiles Faneco, músico, professor e produtor, sabe que influenciou os filhos da melhor maneira quando o assunto é arte.

“Meus filhos também sempre gostaram de arte, de conhecimento, tenho certeza de que os influenciei de maneira bastante positiva com meu trabalho e meu legado à área”, concluiu a artista.

Imagens mostram Olga realizando seus trabalhos de restauro, pinturas em tela e muito mais