João Vallim comemorou a permanência do Velo Clube na série A-2 com a torcida

Matheus Pezzotti

João Vallim comemorou a permanência do Velo Clube na série A-2 com a torcida
João Vallim comemorou a permanência do Velo Clube na série A-2 com a torcida

Com o final da série A-2, todo o elenco do Velo Clube deixou o Benitão, assim como a comissão técnica. E em clima de despedida, o técnico João Vallim falou sobre seu retorno ao Rubro-Verde, mudança de sua filosofia pelo pouco tempo de trabalho antes de iniciar o estadual e claro, seu futuro e vontade em colocar o time na elite do futebol paulista.

“Como a gente construiu essa trajetória no Velo, quando me passaram a situação que o clube se encontrava, que precisava fazer um trabalho para não deixar de disputar o campeonato, não pensei duas vezes. Tinha outras propostas e não tinha nem acertado financeiramente quando aceitei, mas o que importava era a identificação que tenho com o clube e o grupo de apoio formado pelo João Marcondelli. Só que eu não imaginava encontrar o Velo como estava, pior que na época da ‘Bezinha’, quando fizemos um trabalho organizado. Desta vez, começamos do zero faltando 20 dias para começar campeonato”, diz.

Diante do pouco tempo para preparar o time para a A-2, o treinador, acostumado a planejamentos, teve que mudar radicalmente sua maneira de trabalho.

“Não tínhamos como prever nem planejar meta de acesso ou determinada colocação na tabela. Fizemos um trabalho jogo a jogo, depois pensávamos no seguinte e deu certo, porque chegamos a ficar cinco partidas invicto, fizemos bons jogos e conseguimos manter o time na série A-2, que era objetivo nosso, particular e não só disputar o campeonato”, acrescenta.

Na 13ª rodada, jogando no Benitão, o Velo foi goleado pelo Novorizontino por 6 a 2 e apesar do vexatório placar, vindo de outra derrota, de 2 a 1 para o Paulista, Vallim sabia que seu trabalho teria continuidade.

“Havia uma segurança nesse sentido. Foi proposto que poderia até cair que não seria demitido. O que a gente tinha que fazer era disputar o campeonato para não ser rebaixado para a última divisão. A gente estava seguro, mas ao mesmo tempo preocupado porque nós não queríamos isso, e sim, manter o time na A-2 e em evolução. O elenco foi montado sem pré-temporada, a maioria dos jogadores estava três, quatro meses parados, então não ia ser fácil dar uma sequência de jogos”, comenta.

Vallim citou também as dificuldades, a começar pelo limite de 28 atletas a serem inscritos, sendo 25 de linha, além das contusões, suspensões por cartões e jogadores com dengue e virose e a saída do volante PC, para o leste europeu, durante o campeonato.

E para finalizar, o treinador não deixou de manifestar seu desejo de retornar para conquistar uma meta, colocar o Rubro-Verde na série A-1.

“Com planejamento, eu gostaria de voltar pela identificação que tenho com o Velo e a vontade que tenho em colocar o clube na série A-1. Trabalho para atingir metas e essa é uma delas. O que foi proposto, foi cumprido. A diretoria me falou apenas que vão arrumar a parte financeira do clube e buscar patrocinadores para se fazer uma equipe melhor e montar um time forte para chegar no ano que vem para, se não subir, pelo menos deixar uma base para conquistar o acesso no outro ano”, conclui.

O áudio completo da entrevista está disponível no player abaixo.

A sua assinatura é fundamental para continuarmos a oferecer informação de qualidade e credibilidade. Apoie o jornalismo do Jornal Cidade. Clique aqui.

Mais em Esportes:

Rio Claro realiza 1ª Corrida Sem Barreiras

Kickboxing: atletas de Rio Claro se destacam no brasileiro

Tênis: Bia Haddad conquista o WTA de Birmingham