Favari Filho

Tristeza para a torcida leonina na Cidade Azul. Depois de uma verdadeira saga sobre a permanência da equipe do Rio Claro Basquete em atividades esportivas, o Caderno de Esportes do JC apurou na tarde desta terça-feira (1º) que o time não deve estrear no NBB [Novo Basquete Brasil] e que o fim será anunciado oficialmente na quinta-feira (3) pela diretoria do clube que, em 2016, completa trinta e cinco anos de glórias nas quadras de todo o País.

Cabe lembrar que, na semana passada, a direção anunciou o possível fim do escrete caso um compromisso com o governo recém-eleito não fosse firmado, uma vez que a temporada para o RCB teria início no dia 9 de novembro contra o Vitória, às 20 horas, no Felipão, e, portanto, período que corresponde a atual administração [que encerra sua gestão em 31 de dezembro], mas avança o ano de 2017. A decisão sobre o encerramento das atividades, entretanto, foi adiada para a última segunda-feira (1º), data em que dirigentes passaram reunidos com representantes da nova administração e empresários. Mediante a ausência de negociações, o time deve encerrar sua trajetória na próxima quinta-feira (3).

A reportagem procurou o prefeito eleito Juninho que, em nota, expôs que está aberto ao diálogo e que devido a “toda tradição do RCB e pelas grandes conquistas alcançadas em governos e parcerias anteriores, temos todo interesse na manutenção e fortalecimento da equipe, pois o basquete é um orgulho para os rio-clarenses. Porém, durante toda a campanha eleitoral, me comprometi em atender, primeiramente, as necessidades que afligem a população no atendimento básico da Saúde, Educação e Serviços Públicos”.

O Democrata completou ainda: “Farei um governo de prioridades. É preciso deixar evidente, no entanto, que a responsabilidade pelos atuais encargos financeiros, contratos e outros compromissos com os atletas, com a comissão técnica e demais envolvidos é da entidade que gere o time e da atual administração municipal. Estamos, no entanto, abertos ao diálogo e a colaborar para a busca de patrocínios da iniciativa privada e parcerias que permitam, a partir de 1º de janeiro, viabilizar a participação em competições”.