Em virtude de boato divulgado nas redes sociais na tarde de quinta-feira (20 de fevereiro de 2020) sobre a água causar coceira, o Daae (Departamento Autônomo de Água e Esgoto) de Rio Claro informa que isso não é verdade.

“A água do Daae não causa coceira alguma. O cloro é um agente desinfectante, cuja finalidade é eliminar microorganismos presentes na água e em sua rede de abastecimento. Se a água do mar, que é extremamente salgada, salina não causa coceira, muito menos a água do Daae, que é água doce, de rio, cujo manancial é Classe 2, classificado pelo CONAMA (Conselho Nacional do Meio Ambiente). Essa água pode ser usada tanto para fins recreativos, quanto captada, tratada e ser tranquilamente ingerida, sem prejuízo algum à saúde e em especial, à pele das pessoas”, afirma Almir Fernandes da Silva, responsável técnico pelo tratamento da água do Daae Rio Claro (CRQ:04473684 e CFQ:070886).

A autarquia realiza minucioso trabalho para assegurar a qualidade da água distribuída no município. Com a coleta diária de no mínimo 10 amostras, são cerca de ao menos 150 análises feitas todos os dias.

Equipes rotativas trabalham 24 horas, seguindo um rígido controle de dosagem de produtos químicos e acompanhamento dos padrões de qualidade, conforme as especificações do Ministério da Saúde.

Esses cuidados abrangem todo o sistema de distribuição das duas Estações de Tratamento de Água (ETA 1 e ETA 2), que funcionam diuturnamente, com análises de controle de qualidade feitas a cada hora antes da saída da água tratada para toda a cidade.

“A equipe do Daae tem responsabilidade com a saúde pública e reafirma que a água que chega às torneiras em toda a cidade é de qualidade e própria para consumo”, comenta o superintendente do Daae, Paulo roberto Bortolotti.

A agência reguladora Ares-PCJ também tem feito monitoramento mensal na rede de abastecimento.

Em junho 2019, Rio Claro atingiu pontuação máxima, ficando em segundo lugar, no Ranking da Universalização do Saneamento entre cidades de grande porte (acima de 100 mil habitantes) em todo o país, elaborado pela Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental (ABES).

O boletim você pode conferir na íntegra neste endereço eletrônico: http://abes-dn.org.br/pdf/Ranking_2019.pdf

A Fundação de Saúde de Rio Claro, por meio da Vigilância Sanitária (Visa), também realiza o monitoramento permanente da água fornecida pela autarquia.

Seguindo os parâmetros determinados pelo Ministério da Saúde, a Visa faz coletas de amostra da água em pontos de consumo de todo o município, incluindo cavaletes dos imóveis, escolas, clubes, hospitais, empresas e unidades de saúde.

As coletas são realizadas pelos fiscais da Vigilância Sanitária e as amostras são encaminhadas ao Laboratório de Saúde Pública do Instituto Adolfo Lutz (IAL) Regional de Rio Claro, que realiza as análises e disponibiliza os resultados para a Vigilância Sanitária fazer o monitoramento da qualidade da água.

Nas amostras são analisadas a cor aparente, turbidez, temperatura, quantidade de flúor e cloro, além do PH da água. Também são asseguradas a ausência de coliformes totais e da Escherichia coli, bactéria que causa doenças como diarreia e infecção urinária.

Resumo da última análise feita pela Ares-PCJ da água tratada de Rio Claro.