CPP completa 44 anos de atuação

421

Adriel Arvolea

O Centro Professorado Paulista (CPP) Regional de Rio Claro completou, no último dia 10 de março, 44 anos de lutas e reivindicações junto aos educadores. Sua missão é representar a categoria de profissionais do magistério, almejando garantir os direitos dos profissionais e escola pública de qualidade.

O trabalho é baseado no desenvolvimento da educação paulista, tendo como premissa a valorização daqueles que dedicam a vida à arte de educar. De acordo com Moacir Rossini, diretor regional do CPP Rio Claro, uma sociedade instruída é a ponte para um país melhor e mais justo.

“O CPP sempre trabalhou em prol da educação e dos educadores, buscando melhores condições de trabalho, a qualidade do ensino, melhorias nas salas de aula, em todo o ciclo escolar. Por meio dessas ferramentas, a conquista da qualidade não se reflete apenas no meio escolar, mas, também, na sociedade como um todo”, avalia Rossini.

De acordo com o diretor, são 1.400 professores (ativos e inativos) associados ao CPP. Além de Rio Claro, a regional compreende Analândia, Santa Gertrudes, Ipeúna, Corumbataí, Itirapina, Brotas e Torrinha. Atendimento odontológico na sede, planos de saúde, escola de basquetebol e de dança, sala de estética e massagens, pilates, colônias de férias, assistência jurídica, orientações e acompanhamento de ações são alguns dos serviços oferecidos à categoria.

Dispõe, também, de clube com piscinas, campo de futebol society, quiosques e churrasqueiras, salão de festas e cantina, quadra poliesportiva, quadra de vôlei de areia, playground, tênis de mesa, snooker, hidroginástica e sauna. Para mais informações: (19) 3524-4563/3523-6256. Endereço: Rua 16, 441, entre as avenidas 31 e 33, Bairro do Estádio.

Saiba mais

O CPP nasceu em 1930 em São Paulo, quando um grupo de professores percebeu a importância de organizar uma entidade de classe representativa. Naquela época, apesar de o magistério já responder pela maior categoria profissional de servidores públicos do Estado de São Paulo, faltava representatividade na sociedade civil. Faltava voz ao professorado paulista.

Qual sua opinião? Deixe um comentário: