Boxe de Rio Claro é Campeão Paulista

106

Matheus Pezzotti

Rafael Bombonatti foi um dos destaques do Paulista. Desde o Infantil, tem vencido lutas por nocaute
Rafael Bombonatti foi um dos destaques do Paulista. Desde o Infantil, tem vencido lutas por nocaute

Mantendo a tradição de revelar jovens promessas e seguir como uma das referências nacional e internacional, no dia 19 de março, a equipe MM Boxe, de Rio Claro, consagrou-se como campeã coletiva do Campeonato Paulista, se firmando como a melhor equipe de boxe do Estado de São Paulo na categoria Cadete, para pugilistas de 15 e 16 anos.

Com sete atletas entre esta categoria e a Infantil (13 e 14 anos), o time rio-clarense conquistou três medalhas de ouro, uma de prata e uma de bronze, deixando para trás renomadas equipes de todo o estado, como o Coliseu, que levou 15 atletas no total.

“Isso mostra que o trabalho feito tem qualidade e que a equipe é muito boa”, destaca Breno Macedo, um dos técnicos da equipe. As medalhas de ouro foram conquistadas por Kauê ‘Baby Bull’ Belini (66kg), Victor Martins (70 kg) e Rafael Bombonatti (75 kg).

Cada pugilista precisou vencer dois adversários para ser campeão em sua categoria. Icaro Martins (63 kg) também derrotou dois oponentes, mas foi superado na final e ficou com a medalha de prata. O bronze foi conquistado por Donavan Souza (70 kg), enquanto que Marcelo Bagatti, atual vice-brasileiro (63 kg), foi derrotado na luta de estreia.

Os destaques foram Baby Bull Belini e Bombonatti, que chamaram atenção por motivos diferentes. “Belini demonstrou uma técnica impressionante ao derrotar um adversário de Mogi das Cruzes, já Bombonatti proporcionou ao público algo raro nas categorias de base: um nocaute. Forte pegador, seus golpes tiraram seu oponente de Sorocaba de atividade ainda no primeiro round”, analisa Macedo.

Bombonatti é o atual campeão brasileiro, enquanto que Belini foi medalha de bronze no campeonato nacional do ano passado, assim como Victor Martins.

“Temos uma equipe jovem mas experiente, e estamos satisfeitos com os resultados. O trabalho com a categoria de base é a longo prazo e, por isso, mais difícil. Seria mais fácil contratarmos atletas de fora, mas somos reconhecidos como um celeiro de talentos. Todos os nossos atletas são da periferia de Rio Claro, começaram a treinar em nosso projeto social e já se destacam em suas categorias”, finaliza Breno.

Qual sua opinião? Deixe um comentário: