O prefeito Juninho da Padaria sancionou na última semana a Lei Complementar nº 143, que revoga a Lei Complementar nº 88/2014. Com isso, a Contribuição para Custeio dos Serviços de Iluminação Pública (CIP), a chamada Taxa de Iluminação criada na administração anterior, está deixando de existir e já não será mais cobrada a partir de 2020.

O tributo ainda aparece nas contas de janeiro, já que se refere ao mês de dezembro. Principal promessa de campanha do então candidato a prefeito, a revogação da taxa se tornou uma verdadeira saga no mandato de Juninho.

Isto porque, além da população, a classe política da oposição sempre relembrava sobre a necessidade de se cumprir tal meta imposta. Na quarta-feira (11), em entrevista à Rádio Excelsior Jovem Pan News, no Grupo JC de Comunicação, o chefe do Poder Executivo afirmou que, de fato, conseguiu cumprir a promessa.

“A oposição nos cobrava muito. Ela tinha como si a promessa da revogação, como se eu a tivesse criado, mas esqueceram de cobrar quem criou”, declarou lembrando que os vereadores que apresentaram o projeto de lei que revogava a taxa incluíram no texto uma decisão recente do Supremo Tribunal Federal (STF) que dá legalidade à propositura. Ao longo do mandato, no entanto, os argumentos de Juninho mudaram sobre a questão. Confira no vídeo acima.