Os números de casos de dengue confirmados a cada semana continuam em queda em Rio Claro. Levantamento divulgado na sexta-feira (31) pela Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Saúde aponta seis novos casos confirmados no município, totalizando 1.038 casos de dengue.

“Há uma desaceleração no crescimento de casos, o que não quer dizer que pode haver redução nos cuidados preventivos”, destaca Maurício Monteiro, secretário de Saúde, acrescentando que a população deve permanecer em vigília constante contra o Aedes aegypti, já que uma pequena quantidade de água é suficiente para o mosquito se reproduzir.

O município não tem casos confirmados de zika vírus, chikungunya e febre amarela, doenças também transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti.

A principal medida para evitar essas doenças é acabar com os possíveis criadouros, já que sem o mosquito não há transmissão. A estimativa é de que 80% dos criadouros estejam nos imóveis habitados, como residências, locais de trabalho e comércios. “É fundamental a colaboração diária de toda população na eliminação de criadouros”, observa Diego Reis, chefe do Centro de Controle de Zoonoses, lembrando que o município tem mantido as ações de combate ao Aedes com vistorias em residências e pontos estratégicos, além da nebulização.

O trabalho preventivo é contínuo e tem participação de vários setores da administração municipal. As secretarias de Obras e de Agricultura fazem limpezas periódicas de terrenos particulares e em áreas públicas onde moradores, de forma inadvertida, descartam entulho e lixo. Para colaborar na eliminação de criadouros os rio-clarenses contam com coleta de lixo domiciliar em todos os bairros, seis ecopontos, coleta seletiva de lixo e serviço mensal de cata bagulho.