Folhapress

Um homem que ganhou R$ 47,1 milhões na Mega-Sena em 2020 morreu nesta quarta (14) em Hortolândia, interior de São Paulo, um dia após ser encontrado inconsciente em um trevo de acesso à Rodovia dos Bandeirantes. Segundo a polícia, ele foi vítima de sequestro e espancamento.

Jonas Lucas Alves Dias, 55, foi socorrido por uma ambulância da concessionária da rodovia e encaminhado para o Hospital Mário Covas, mas não resistiu à gravidade dos ferimentos. Os médicos constataram que a vítima sofreu traumatismo cranioencefálico.

De acordo com a Polícia Civil, foram feitas várias tentativas de saque nas contas de Jonas durante o período em que ele estava desaparecido, desde a manhã de terça (13).

Uma delas, no valor de R$ 3 milhões, não chegou a ser concluída, mas houve uma transferência via Pix no valor de R$ 18 mil. Com o cartão de débito da vítima, levado pelos suspeitos do crime, foram feitos saques no valor de R$ 2 mil.

Equipes do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic) de Piracicaba estão apoiando os policiais de Hortolândia na investigação do crime. Segundo informações de familiares, Dias havia saído para fazer uma caminhada e desapareceu. Ele teria levado apenas a carteira e documentos.

No final do dia, familiares registraram o desaparecimento utilizando o sistema eletrônico da Polícia Civil. As buscas pelo homem seriam iniciadas ontem.

A Polícia Civil investiga o caso e já obteve imagens de câmeras de segurança que mostram Jonas Lucas Dias sendo deixado na estrada. A polícia não deu detalhes para não prejudicar as investigações -as imagens podem levar à identificação do veículo usado no crime.

Outras imagens de câmeras de monitoramento da rodovia e da área urbana de Hortolândia foram requisitadas e estão em análise. Para a polícia, os criminosos premeditaram o sequestro, pois sabiam que se tratava de um milionário.

Em 2020, Dias levou o prêmio acumulado da loteria da Caixa após fazer uma aposta simples de seis números.

‘VIÚVA DA MEGA-SENA’

Em janeiro de 2007, um outro caso de assassinato envolveu um ganhador da loteria. Ex-lavrador e ex-vendedor de doces à beira da estrada, Renné Senna foi morto a tiros em Rio Bonito, na região metropolitana do Rio.

Ele havia ficado milionário em 2005, quando ganhou R$ 52 milhões na Mega Sena. Diabético, Senna tinha perdido as duas pernas por causa de complicações da doença. Em 2006, começou a namorar Adriana de Almeida, 25 anos mais jovem do que ele.

Seis pessoas foram acusadas de cometer o crime, entre elas a viúva. Adriana foi inocentada em 2011, mas a sentença foi anulada em 2014 pelo Tribunal de Justiça do Rio, por causa de uma irregularidade cometida durante o julgamento -dois jurados se comunicaram.

Em dezembro de 2016, Adriana foi julgada novamente e então condenada a 20 anos de prisão por homicídio duplamente qualificado (motivo torpe e sem chance de defesa à vítima). Ela foi acusada pelo Ministério Público de ser a mandante do assassinato. Anderson Silva de Souza e Ednei Gonçalves Pereira, ex-seguranças de Renné Senna, haviam sido condenados em julho de 2009 como executores do crime.

*Com Estadão Conteúdo

A sua assinatura é fundamental para continuarmos a oferecer informação de qualidade e credibilidade. Apoie o jornalismo do Jornal Cidade. Clique aqui.

Mais em Dia a Dia:

Acidente entre carro e moto é registrado na Visconde

Ciro acompanha PDT e anuncia apoio a Lula no 2º turno