Urna eletrônica. Foto: Agência Brasil/Arquivo JC

Partidos que terão que caminhar juntos nas eleições a prefeito, vice e vereadores do próximo ano têm muitas arestas a resolver

Nem bem começaram as articulações para a definição das candidaturas a prefeito, vice e vereadores, e o sistema das federações, estratégia para permitir a sobrevivência de algumas partidos, já começa a apresentar, digamos, algumas “divergências”. A informação divulgada na semana passada de que o cientista político petista João Guilherme seria o nome mais cotado para ser candidato a prefeito provocou rápida reação dos integrantes do Partido Verde, integrante da federação junto com PT e PC do B.

“Ele pode ser o escolhido do PT, que está na sua briga interna, agora com o PV isso não foi conversado. Nem também com o PC do B. A federação tem três partidos, o que dois decidirem, está decidido. Não há essa conversa, pelo menos por enquanto”, declarou o vice-presidente do PV, José Martins, o Véio.

A nota sobre o nome de João Guilherme como provável candidato a prefeito do PT levou também à manifestação do próprio presidente do partido, Alan Rios . “O PT está em fase de elaboração de propostas para o Plano de governo, bem como está no momento de diálogo no que se refere à candidatura à Prefeitura de Rio Claro.
Temos quadros para participar da candidatura a prefeito para a próxima eleição em 2024.
Portanto, também temos bastante tempo pra discutir, dialogar, elaborar propostas e definir quem poderá representá-lo”.

Diante dos fatos, algumas observações:

  1. Tudo leva a crer que não vai ser fácil haver acordo nesse trio
  2. João que se prepare para enfrentar também o fogo amigo dos companheiros
  3. Vale lembrar que, em termos de poder de voto, João segue como uma das lideranças. Ou será que esse quesito já não é mais levado em conta na hora de definir candidaturas?

Vai ou fica? – Falando sobre federações partidárias, também não deve ser fácil o casamento entre PSDB e Cidadania. No sábado, a nova presidente dos tucanos, Giselle Pfeifer, esteve na Rádio Jovem Pan News para falar sobre a nova gestão. Questionada sobre o vereador Paulo Guedes, o grande puxador de votos para os tucanos – mas que enfrenta ainda indefinição sobre a liberação para disputar as eleições de 2024 -, Giselle declarou que Paulo, se autorizado a ser candidato, pode entrar na briga para prefeito. O problema é que o parceiro de federação, o Cidadania, é parte integrante e importante, inclusive em termos de cargos, do governo de Gustavo Perissinotto, pré-candidato à reeleição. Para Giselle, essa definição vai acontecer “através do diálogo”.


“É um período em que a gente precisa ter muita calma, muita parcimônia, para fazer qualquer tipo de comentário, porque é um período de muita especulação (…) eu não tenho dúvidas, que em razão das conversas alcançadas, o Aldo deve estar comigo”

Prefeito de Rio Claro Gustavo Perissinotto, questionado sobre apoio do ex-deputado Aldo Demarchi na sua pré-candidatura à reeleição (confira a filiação de Aldo ao PL na coluna Farol).

Dúvida

Ainda sobre a união PSDB e Cidadania, vale lembrar que na última eleição ao Executivo os tucanos apoiaram a candidata do MDB, Maria do Carmo Guilherme, enquanto o Cidadania já estava com o prefeito Gustavo. Como Maria já está no governo, tudo caminharia para a conciliação. O problema é se Paulo Guedes for liberado, despertando o desejo dos tucanos de ocupar o Paço.

Prato frio

A filiação de Aldo Demarchi ao PL e consequente apoio à tentativa de reeleição de Gustavo Perissinotto, que o jornalista Lucas Calore aborda na Farol, tem também uma característica de “revanche”. Em 2018, quando ficou como suplente na Assembleia, o ex-deputado falou abertamente sobre a mágoa em relação à falta de apoio de caciques de seu próprio partido, o então Democratas, que na época ocupava a prefeitura.

Pedras

O caso da exoneração do secretário executivo da Agricultura do governo estadual, Marcos Bottcher, é acompanhado com atenção em Rio Claro e em várias outras cidades do interior paulista. Tudo porque a dispensa estaria ligada às denúncias apresentadas pelo ex-secretário sobre o programa Melhor Caminho, de construção de estradas rurais, que já passou por aqui.

Mais em Política: