Duas estudantes da Escola Estadual “Oscália Goes Correa Santos” quase não conseguiram participar das aulas nessa quinta-feira (26). Segundo os familiares das jovens, o motivo foi o uso de calças com ‘rasgos’ e ‘cortes’ que usavam. A dona Cida Marinho, mãe de uma das alunas, conta que a filha estava usando uma calça com um rasgo no tecido em um dos joelhos. Isso teria sido o bastante para barrar sua entrada. “Eu não tenho condições de comprar uma calça toda semana para ela usar. Outros alunos utilizam calça assim no período da manhã e da noite. Por que à tarde é diferente?”, questiona.

Ainda de acordo com a senhora, o rasgo na calça existe pelo uso contínuo da peça de roupa. Ela foi chamada na escola para buscar a jovem. “Acabei levando outra calça para minha filha poder entrar”, disse. Outra aluna também estava utilizando uma calça com detalhes rasgados. No entanto, abaixo dos cortes há um forro, ou seja, o corpo da aluna não estava sendo mostrado. O irmão responsável pela estudante em questão também foi acionado pela escola. “Ela está acostumada a ir com essa calça, mas a diretoria barrou a entrada e a mandou embora. Ela tem 14 anos. Só ficamos sabendo quando ela chegou em casa. Voltamos para lá e não quiseram deixá-la entrar. Somente quando falamos de chamar a imprensa que deixaram ela fazer a prova. Hoje que pegaram no pé dela. A regra só se aplica à minha irmã e não a todos alunos?”, argumentou Leandro Martins.

Estado

A Diretoria Regional de Ensino de Limeira foi questionada pela reportagem sobre o problema. Em nota, disse que as alunas puderam assistir às aulas, mas que reforçou orientações à direção da escola. Nesta unidade de ensino, o regimento determina que estudantes usem a camiseta do uniforme, calça jeans ou bermuda, informou.

Mais em Dia a Dia:

Santa Gertrudes tem 10ª morte pela Covid-19

Sem resultados, OMS não vai recomendar vacina russa