Nesta quinta-feira (7), a nutricionista Ana Beatriz dos Santos Martins terá uma dupla comemoração. Além do aniversário de 24 anos, ela tem motivos de sobra para agradecer pela vida após passar por um grande susto, ou por momentos de terror, como ela mesma descreve.

Na tarde de segunda-feira (4), ela foi arrastada junto com o veículo que dirigia pela força das águas em um alagamento no pontilhão do trevo da Viviani. “Eu estava vindo do Palmeiras e ia buscar a minha mãe no trabalho no Florença. Já estava chovendo, mas passei tranquilamente embaixo do pontilhão. Acontece que, antes de chegar à rotatória, encontrei uma fila de carros porque ali estava tudo alagado, congestionado e tive que parar e esperar, assim como os outros. Foi nesse momento que a água começou a subir rapidamente e o carro foi sendo levado para debaixo do pontilhão. Em questão de segundos, a água que estava nos meus pés ficou no meu pescoço”, relembra Ana Beatriz.

Em um momento de desespero e se sentindo encurralada com água por todos os lados, ela só conseguiu ligar para o pai: “Fiz uma chamada de vídeo pedindo socorro. Naquele momento eu só pensava na minha família, no meu namorado, nas pessoas que eu amo, pois eu sentia realmente que iria morrer. Tive uma crise de ansiedade tão grande, que não conseguia escutar o que meu pai dizia, não tive reação nem para tirar o cinto de segurança. As portas não abriam, o vidro travou”, conta.

Ana Beatriz também afirma que escutava pessoas em volta gritando, mas mal conseguia se mexer: “A cena foi tão aterrorizante, que eu não raciocinava. Foi nesse momento que um caminhoneiro em uma atitude heroica e de uma sensibilidade que não dá para descrever entrou na água e apareceu na porta do meu carro e falou que ia me ajudar, para eu ter calma. Ele começou a empurrar o carro com as mãos, me tirando daquele meio onde estava mais fundo. Depois mais duas pessoas apareceram e o auxiliaram no final”, diz a vítima.

Esse caminhoneiro ainda a levou até o caminhão e ofereceu uma toalha para que ela se enxugasse: “Eu não o conheço, nem sei se ele é de Rio Claro, de outra cidade. Naquele momento, ainda em choque, não consegui nem falar com ele direito. Através deste meu relato gostaria de agradecê-lo por tudo o que fez por mim. Mais alguns segundos ali a água iria encobrir o carro e eu com certeza não resistiria. Um verdadeiro anjo. Aproveito também para fazer um apelo para as autoridades, prefeito, vereadores, que tomem uma atitude para resolver de uma vez por todas esse problema naquele trecho. Pessoas já morreram por lá afogadas, eu quase morri. Está na hora de olhar para aquilo que realmente precisa de urgência, já que estamos em uma época de chuvas”, finaliza Ana Beatriz.

O veículo em que ela estava, um Gol, pertence ao namorado e não tinha seguro. O automóvel está em um mecânico para ver se existe possibilidade de conserto. Na ocasião, Ana Beatriz também perdeu a balança de bioimpedância que ela usa nos atendimentos como nutricionista e custa em torno de R$ 350,00. Caso alguém tenha interesse em ajudá-la, o telefone é o (19) 99963-2451.

A sua assinatura é fundamental para continuarmos a oferecer informação de qualidade e credibilidade. Apoie o jornalismo do Jornal Cidade. Clique aqui.

Mais em Dia a Dia:

Suavização de valetas têm continuidade em Rio Claro

Fim de semana ensolarado em Rio Claro, sem chuvas

Casos de dengue em gestantes aumentam 345% em 2024