Tombamento de prédio da Escola Municipal “Marcello Schmidt” ainda está em estudo

Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico do Estado de São Paulo (Condephaat) afirma que decisão caminha para conclusão

Localizado na Rua 5, esquina da Avenida 1, na área central de Rio Claro, o prédio da Escola Municipal “Marcelo Schmidt” segue desocupado e aguardando uma decisão para reforma. Atualmente a instituição de ensino funciona na Avenida 25, número 148, bairro Cidade Jardim.

A reportagem do Jornal Cidade procurou a Prefeitura Municipal e questionou sobre ações no local. Em nota o Poder Executivo informou: “O tombamento do prédio está em análise pelo Condephaat. Enquanto esse processo não for concluído pelo órgão estadual a prefeitura não tem como licitar a obra no imóvel. Se o tombamento se confirmar, será preciso contratar uma restauração, caso contrário será feita licitação para reforma comum. A restauração pode exigir o dobro ou triplo do investimento”.

Diante disso o Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico do Estado de São Paulo (Condephaat) também foi procurado e explicou: “Informamos que o prédio da Escola Marcelo Schmidt, em Rio Claro, é um bem em estudo de tombamento, por isso, é protegido pelo Condephaat. Mesmo nesta fase, é possível realizar intervenções no local, que necessitam de análise prévia e autorização. O estudo de tombamento do imóvel está em processo de conclusão e, após finalizado, passará por deliberação do Conselho”.

A história

O prédio foi construído em 1865 por Amador Rodrigues Lacerda Jordão, Barão de São João do Rio Claro. Antes de se tornar sede do grupo escolar, o prédio esteve ligado a momentos importantes da história da cidade. Foi propriedade de José Estanislau de Oliveira, o Visconde do Rio Claro, que residiu no local de 1875 até falecer, em 1884. Nesse período, o casarão teve salas cedidas para a Câmara Municipal e para hospedar o imperador Dom Pedro II.

Em 1892 a casa foi cedida em testamento à neta do Visconde de Rio Claro, Clementina Eugênia de Oliveira, casada com Marcello Schmidt. Entre 1898 e 1903 o prédio foi cedido para o funcionamento de grupo escolar e, a partir de 1911, para a instalação da escola que, em 1929, após o falecimento de Marcello Schmidt, recebeu o seu nome do patrono.

Marcelo Schmidt

Marcello Neros Schmidt foi importante para Rio Claro tanto como político quanto como engenheiro. Foi um dos construtores da estrada de ferro Campinas-Rio Claro e, na política, defendeu ideais republicanos mesmo no período imperial.

Marcelo Schmidt nasceu em Valença, no Estado do Rio de Janeiro, no dia cinco de maio de 1861 e faleceu em Rio Claro no dia 11 de abril de 1929. Estudou em Campinas, no colégio Internacional, e na Escola de Belas Artes do Rio de Janeiro, onde se diplomou em pintura. Após se formar, veio para Rio Claro aos vinte anos para trabalhar com o pai, engenheiro de estrada de ferro. [Informações históricas: Arquivo Público de Rio Claro]

A sua assinatura é fundamental para continuarmos a oferecer informação de qualidade e credibilidade. Apoie o jornalismo do Jornal Cidade. Clique aqui.

Mais em Dia a Dia:

Sobrevivente de Orpinelli refaz a vida e lança projeto

Chega às bancas a nova JC Magazine