(Samanta no aniversário de 2 anos junto ao pai e a mãe)

Setembro para a professora rio-clarense Samanta Regina Quintal, 33 anos, é sempre de muita reflexão. Ela encara o período também como uma oportunidade para falar sobre um assunto que ainda é muito velado na sociedade: a saúde mental e o suicídio.

Dentro da família, ela vivenciou a situação, quando perdeu a primeira referência de figura masculina: o pai.

Pensando em ajudar outras pessoas, essa semana fez uma publicação nas redes sociais, aproveitando a campanha de conscientização (Setembro Amarelo) que marca o mês dedicado à Valorização da Vida e Prevenção ao Suicídio.

“Depressão foi considerada por muito tempo como ‘frescura’ e infelizmente é ainda vista assim por muitos. Poucos sabem, mas essa ‘frescura’ retirou a vida de minha base: o meu pai. Sim, perdi minha primeira referência de figura masculina para o suicídio há 31 anos”, diz parte do relato.

À reportagem, Samanta disse que o pai Paulo Ereovaldo de Quintal tinha passado por grandes dores antes de tirar a vida com um tiro no peito: como perder um filho logo após o nascimento, o emprego e também ter a casa assaltada. Ele também tinha crises de convulsão e por isso tomava remédios psiquiátricos, o que, segundo ela e a mãe hoje avaliam, era um motivo de vergonha para ele na época.

“Abrir meu coração e falar sobre o assunto hoje para mim é instruir devido ao que aconteceu. Por isso eu digo que o diálogo é sempre a melhor escolha. Família e amigos ajudam e muito no carregar deste fardo, mas apenas ajuda profissional irá mostrar o que a pessoa que passa por isso precisa observar. O mundo seria muito melhor se todos tivessem acesso e buscassem auxílio desse profissional, seja ele psicólogo, terapeuta, ou outro. Problemas sempre existirão, mas a oportunidade de viver essa vida, com os que você ama, é apenas uma. O 188 é um canal de apoio que funciona 24 horas, pelo qual, se você estiver passando por minutos de desespero, emergencialmente, você será ajudado”, orienta Samanta.

Palestras sobre o tema

Ao longo do mês, a Fundação Municipal de Saúde de Rio Claro realiza atividades chamando a atenção para a importância do assunto, com palestras e rodas de conversa para orientar a comunidade. Nas unidades de saúde as atividades são abertas ao público e ministradas por psicólogas. A programação prevê palestra em Ajapi na quinta-feira (15), às 14 horas. No dia 20, a partir das 14 horas, a atividade será na unidade de saúde da Avenida 29. No dia 21, às 9h30, haverá palestra na unidade de saúde do Wenzel. No dia 22, às 9 horas, será na UBS do Cervezão e às 10 horas na UBS Vila Cristina. Os profissionais de saúde da rede pública municipal participam no dia 23 de encontro para debater a prevenção ao suicídio e discutir políticas públicas para aperfeiçoar as ações realizadas no atendimento à população.

A sua assinatura é fundamental para continuarmos a oferecer informação de qualidade e credibilidade. Apoie o jornalismo do Jornal Cidade. Clique aqui.

Mais em Dia a Dia:

Saúde orienta sobre meningite meningocócica

Nesta sexta-feira termina a campanha de vacinação contra a pólio