Carine Corrêa

fotos pagas
Nível do Sistema Cantareira tem nova baixa e registra 5,8% (Foto: Denny Cesare)

 

Estratégia do governo tucano, o uso do volume morto do Sistema Cantareira está sendo alvo de uma ação civil pública do Ministério Público do Estado de São Paulo e do Ministério Público Federal.

O objetivo da ação é estabelecer restrições quanto ao uso da segunda cota deste volume, uma vez que sua retirada, segundo MP, pode trazer implicação ao abastecimento público e podendo levar a um colapso das duas regiões abastecidas – bacia do Piraciccaba e região metropolitana de São Paulo.

A nota à impresa foi encaminhada pelo Grupo de Atuação Especial de Defesa do Meio Ambiente (Gaema) de Piracicaba. Os réus da ação são a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), Agência Nacional das Águas (ANA) e o Departamento de Águas e Energia Elétrica do Estado de São Paulo (DAEE).

A ação descreve que “enquanto não for imposto um limite final máximo de utilização das águas disponíveis no Sistema Cantareira, evidentemente continuará a SABESP contando com a possibilidade de avanço da captação por bombeamento até o possível esgotamento dos reservatórios”.

A sua assinatura é fundamental para continuarmos a oferecer informação de qualidade e credibilidade. Apoie o jornalismo do Jornal Cidade. Clique aqui.

Mais em Dia a Dia:

Rio Claro faz lançamento oficial das obras do Instituto Federal

1º caso de Covid no Brasil completa quatro anos nesta segunda (26)

Casas que acumulam lixo geram preocupação no bairro Centenário