A merenda escolar oferecida aos alunos da rede pública de ensino de Santa Gertrudes segue normas e padrões de qualidade para que as refeições tenham altos valores nutricionais e sejam saborosas.

De acordo com as nutricionistas da empresa Seja – Serviços e Terceirizações, Ana Paula Maronezi e Jaqueline Esteca Rezende os cardápios são variados e balanceados, visando a saúde dos alunos. As compras dos alimentos são realizadas a cada 15 dias, sendo que a parte de hortifruti e pães é feita semanalmente. São oferecidas frutas três vezes por semana e legumes e/ou saladas são ofertados todos os dias, complementando os alimentos principais.

Importante destacar que a marca dos produtos comprados pode variar a cada 15 dias, de acordo com o preço, mas que a qualidade é sempre preservada. Por isso, eventualmente haverá mudança no paladar e aparência dos alimentos, sendo adaptados pelas merendeiras.

Na semana passada, com o objetivo de obter informações sobre a avaliação dos alunos em relação aos alimentos oferecidos pela merenda escolar, foram aplicadas pesquisas nas escolas da rede pública de ensino.

Os questionários foram realizados com dois cardápios: arroz, feijão, nuggets, purê de batata e fruta e outro com macarrão com carne moída, salada e sobremesa.

O resultado foi positivo e apontou que 86,66% dos alunos entrevistados assinalaram como Gostei ou Adorei. 13,34% responderam Detestei, Não Gostei ou Indiferente.

Segundo o poder Executivo, a merenda escolar é acompanhada também pela nutricionista da prefeitura Lazara Iara Fernandes Sorge, que analisa e supervisiona os trabalhos. Detectando alguma reclamação, a empresa é acionada imediatamente.

O prefeito Gino ressalta que a qualidade da merenda é fundamental e que a administração municipal está atenta às demandas.

A sua assinatura é fundamental para continuarmos a oferecer informação de qualidade e credibilidade. Apoie o jornalismo do Jornal Cidade. Clique aqui.

Mais em Dia a Dia:

Rio Claro confirma primeiro caso de dengue neste ano

Acidentes são registrados e motoristas apontam causa