Imagem: Stellarium.

Nesta final de ano poderemos observar a vista desarmada, na abóbada celeste e ao mesmo tempo, alinhamento planetário com todos os cinco planetas mais a Terra, conhecidos desde os primórdios da civilização, após o ocaso, que é período do dia em que ocorre o pôr do Sol.

Vistos a partir do quadrante oeste, são: Terra (local do observador); Vênus; Mercúrio; Saturno; Júpiter; Marte.

Mas a Terra também, como assim?

Sim, afinal de contas estamos nela, e podemos observá-la a todo momento olhando para qualquer horizonte.

Desde os tempos remotos os planetas telúricos (Mercúrio, Vênus, Terra e Marte) com nomes dos deuses da mitologia greco-romana eram visíveis a vista desarmada, juntamente com os dois gigantes gasosos (Júpiter e Saturno), se alinhando a todo momento na abóbada celeste, como o que está ocorrendo neste final de ano, afinal o Sistema Solar todo, com seu momento angular, está envolto ao astro rei que comanda toda a força dinâmica.

Pelo momento angular (l = r x p) a órbita de um planeta em torno de uma estrela tem que ser plana sendo o l perpendicular a r e p (pura física/matemática) e colineares. Por este motivo, podemos, hora ou outra, observar o alinhamento de um dado referencial, que é a Terra, com os astros “caminhando” próximos da eclíptica.

Lembrando que Sistema Solar hoje é reconhecido com mais Urano (descoberto em 13 de março de 1781) e Netuno (descoberto em 23 de setembro de 1846), que são gigantes gasosos, compondo os oito planetas principais, quatro telúricos e quatro gasosos.

Dará para observar a noite toda este fenômeno?

Não, você terá apenas pouco tempo logo após o ocaso do Sol para observar todos os planetas no céu ao mesmo tempo, pois Vênus e Mercúrio vão se pôr rapidamente, e tem o problema no qual o observador terá que ter um bom horizonte oeste desimpedido, sem casas e prédios, além do céu limpo claro.

Um bônus bacana e muito bonito, será a Lua “passeando” a cada dia de oeste para leste pelos planetas a partir do dia 24.

Ótimas noites de observações a todos.

Com a colaboração do astrônomo Fabrizzio Montezzo.

Mais em Dia a Dia:

Fim de semana com diversidade climática em Rio Claro

Alunos fazem passeata contra a dengue no Grande Cervezão