Dados divulgados pela Justiça Eleitoral apontam que Rio Claro tem 156.393 eleitores aptos a votar neste domingo (2), quando os brasileiros vão eleger o presidente da República, governadores, senadores e deputados federais e estaduais. Desse total, o eleitorado feminino é maioria, com 82.925 pessoas, ou 53%, enquanto o masculino tem 47% de participação, com 73.415 pessoas. Um grupo de 53 eleitores não informou o sexo. Na divisão por idade, a maior fatia do eleitorado tem idade entre 40 e 44 anos, com 16.454 pessoas; na sequência vem a faixa de 35 a 39 anos, com 15.91 eleitores. No grupo do voto facultativo, na faixa entre 16 e 17 anos, 1.110 jovens providenciaram o seu título de eleitor para participar das eleições 2022.

Na questão do voto facultativo para os idosos acima dos 70 anos, os candidatos têm um grande grupo de eleitores para trabalhar a importância da participação nas urnas. São 17.950 eleitores na faixa acima dos 70 anos, incluindo o grupo dos acima de 100 anos, com 303 eleitores aptos a votar este ano. Devido às mudanças trazidas pela pandemia da Covid-19, mesmo os eleitores que não providenciaram o cadastro da biometria poderá votar hoje (2). Em Rio Claro, o grupo dos “sem-biometria” é minoria, com 20.190 eleitores ainda não cadastrados, ou apenas 12,91%, enquanto 136.203 já providenciaram o cadastro digital.

Os dados mostram também o crescimento do eleitorado do município. Em 2018, eram 148.111 aptos a votar; já em 2020, nas eleições municipais, esse número subiu para 154.981. Do total de 156.393 eleitores, 87.383 estão cadastrados na 110ª zona eleitoral, enquanto 69.010 pertencem à 288ª zona eleitoral. Quando à escolaridade, no caso de Rio Claro, o maior grupo de eleitores, 36,04%, apresenta ensino médio completo; na sequência estão os eleitores com ensino superior completo, 18,69%, totalizando 29.227 pessoas.

A sua assinatura é fundamental para continuarmos a oferecer informação de qualidade e credibilidade. Apoie o jornalismo do Jornal Cidade. Clique aqui.

Mais em Política:

PEC da Transição pode ser votada pelo Plenário na quarta-feira

Refis: emenda ‘bloqueia’ empresas por três anos