Folhapress

As técnicas de rinoplastia caseira propagadas na internet podem levar a infecção, sangramento, lesões anatômicas e estruturais no nariz, distúrbios respiratórios, infecção generalizada e, em último grau, causar a morte, alertam especialistas.

A prática de “operar” o nariz em casa ganhou repercussão nos últimos dias, após um jovem procurar atendimento na UPA (Unidade de Pronto Atendimento) do Campo Limpo, na zona sul da capital paulista.

Na ocasião, ele contou ter realizado o procedimento com base em postagens na internet e revelou ter usado cola instantânea para fazer a sutura. Na última sexta (5), ainda havia no YouTube vídeo ensinando a afinar e arrebitar o nariz com fio desencapado e cola quente.

Segundo a SMS (Secretaria Municipal da Saúde), o paciente foi encaminhado para o Hospital Municipal Dr. Fernando Mauro Pires da Rocha e acolhido pela equipe de saúde mental. Em seguida, ele passou por atendimento com a equipe de bucomaxilofacial, que realizou a limpeza do ferimento, curativo e orientação quanto aos cuidados necessários. O rapaz recebeu alta no mesmo dia e foi encaminhado para retorno e para atendimento no serviço de psicologia.

O YouTube diz que todos os conteúdos na plataforma precisam seguir as Diretrizes de Comunidade e que não permite material que incentive atividades perigosas com risco de danos físicos graves ou de morte.

“Contamos com uma combinação de sistemas inteligentes, revisores humanos e denúncias de usuários para identificar conteúdo suspeito e remover o que esteja em desacordo com nossas políticas assim que localizado.” O vídeo indicado pela Folha de S.Paulo passou a ser restrito a maiores de 18 anos.

“O desconhecimento torna as pessoas corajosas. Se elas não têm conhecimento do risco que correm, principalmente as jovens, tornam-se corajosas para se aventurar nesse tipo de procedimento”, afirma o médico Carlos Inácio Coelho de Almeida, membro da SBCP (Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica).

Entre os riscos listados por Almeida e por José Roberto Parisi Jurado, vice-presidente da ABORL-CCF (Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial), estão deformidades irreversíveis, sangramentos e infecções. “O nariz é uma região muito propensa à infecção, tanto que nas cirurgias, além do uso de material esterilizado, preparamos o paciente com antisséptico antes e depois e prescrevemos antibióticos para o pós-operatório”, diz o otorrinolaringologista.

Também existe chance de complicação quando não há corte e o procedimento é feito com a colocação de modeladores flexíveis como os anunciados em sites de compra e venda. O objeto pode afundar dentro do nariz, sendo necessário procurar ajuda médica para removê-lo, ou ainda causar acúmulo de secreção.

“Uma pessoa que faz esse tipo de coisa pode ter receio de procurar atendimento médico e o quadro infeccioso pode evoluir. O germe que está só no nariz, quando não tratado, pode atingir a corrente sanguínea e virar uma infecção generalizada, ou septicemia”, afirma Jurado.

Apenas em 2020, foram realizadas 87.879 rinoplastias no Brasil, segundo a ISAPS (Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética). O número equivale a 6,7% de todas as cirurgias estéticas realizadas na região da cabeça no Brasil e a 10,3% de todas as rinoplastias realizadas no mundo. Trata-se da quarta cirurgia estética mais procurada por homens (209.087 procedimentos) e a quinta entre as mulheres (643.468 procedimentos).

“O nariz é um órgão impactante para a harmonia facial e as pessoas que procuram a rinoplastia estão em busca dessa harmonia”, comenta Almeida.

Jurado acrescenta que a porção central da face é a que mais nos chama a atenção. Quando a pessoa se vê numa selfie ou num vídeo, observa majoritariamente essa área e o nariz, por ser a estrutura central, é o que mais incita a vontade de melhorar o aspecto estético, seguindo para isso um padrão estabelecido ao longo dos anos.

“Modelos, atores, as pessoas consideradas bonitas no mundo geralmente têm um nariz no padrão delicado. É raro alguém ter o nariz com formato arredondado, um nariz em ‘bolinha’, e ser considerado bonito. Isso foi criado por meio da televisão, jornais, revistas, filmes e a pessoa sente vontade de ter um padrão semelhante ao que vê nesses meios”.

A questão é que nem sempre o paciente tem expectativas realistas, algo que é discutido nas consultas pré-operatórias com o cirurgião plástico. Cabe ao profissional analisar todos os elementos do nariz, os pontos de referência da face e dialogar sobre o que é alcançável.

Outro fator reside na disponibilização do procedimento. O SUS (Sistema Único de Saúde) cobre operações reparadoras e a rinoplastia é uma cirurgia estética. “Quando o paciente tem um nariz com problemas funcionais, com desvios e precisa de uma rinosseptolastia, ele tem cobertura. Mas aquela cirurgia do nariz por um desejo estético, que não envolve nenhuma patologia, o SUS não cobre”, conta Almeida.

Com isso, há duas opções: buscar hospitais e médicos capacitados na rede particular ou procurar atendimento em instituições de ensino. Algumas faculdades de medicina, para oferecer capacitação aos residentes em cirurgia plástica e otorrinolaringologia, atendem pacientes pelo SUS em seus hospitais ou, no caso de instituições de ensino privadas, cobram valores abaixo do mercado.

A sua assinatura é fundamental para continuarmos a oferecer informação de qualidade e credibilidade. Apoie o jornalismo do Jornal Cidade. Clique aqui.

Mais em Dia a Dia:

Rio Claro confirma primeiro caso de dengue neste ano

Acidentes são registrados e motoristas apontam causa