O ex-diretor da Central de Compras da Prefeitura de Rio Claro, Valdemar Naidhig Neto, foi alvo de uma nova operação para cumprimento de mandado de busca e apreensão e de prisão temporária em sua residência, nessa quarta-feira (16), no bairro Jardim Mirassol. Neto não foi localizado e, segundo informações, acha-se fora de Rio Claro desde a deflagração da primeira operação na cidade, em 02/12, quando ocorreram buscas e apreensões nas residências do prefeito de Rio Claro, João Teixeira Júnior, do chefe de gabinete, Silvio Aparecido Martins, e do secretário de economia e finanças, Gilmar Dietrich, e nos respectivos setores da prefeitura.

De acordo com o advogado de defesa de Neto, documentos foram levados pela promotoria do Gaeco, do Ministério Público. A Polícia Civil deu apoio nos trabalhos. Conforme revelado pela coluna Farol, na edição impressa do JC na última semana, Marco Bellagamba determinou a exoneração do então diretor após assumir o posto de prefeito com o afastamento de Juninho.

Neto foi um dos responsáveis pelo compra dos R$ 4 milhões em equipamentos de proteção individuais (EPIs) pela Prefeitura de Rio Claro na pandemia e que virou investigação por conta de supostas irregularidades. Segundo o MP, ele negociou com Adriano Pimenta, um dos empresários envolvidos no esquema e que também foi preso. Ciente do ocorrido está em viagem de retorno ao município, segundo seu advogado. Confira mais detalhes na edição desta quinta-feira (17) do Jornal Cidade.

A sua assinatura é fundamental para continuarmos a oferecer informação de qualidade e credibilidade. Apoie o jornalismo do Jornal Cidade. Clique aqui.

Mais em Política:

Mais de 28 mil títulos de eleitores estão cancelados em Rio Claro

Trem Intercidades entre SP e Campinas será o mais rápido do Brasil