Legendas: José Gustavo Viegas Carneiro e esposa, Profa. Dra. Maria Cecília Vecchiato Saenz Carneiro, Livre-Docente da UNESP de Rio Claro/SP

Divulgação

Legendas: José Gustavo Viegas Carneiro e esposa, Profa. Dra. Maria Cecília Vecchiato Saenz Carneiro, Livre-Docente da UNESP de Rio Claro/SP
Legendas: José Gustavo Viegas Carneiro e esposa, Profa. Dra. Maria Cecília Vecchiato Saenz Carneiro, Livre-Docente da UNESP de Rio Claro/SP

A Programa de Pós-Graduação de Geografia da Unesp (Universidade Estadual Paulista) de Rio Claro recebeu Menção Honrosa no âmbito do Prêmio Capes de Tese Edição 2014. A premiação é concedida às melhores teses de doutorado do país.

A Menção Honrosa da área de geografia foi outorgada ao delegado José Gustavo Viegas Carneiro, autor da tese “A Violência no Espaço Urbano: Uma Crítica Benjaminiana, Estudo de Caso da Cidade de Rio Claro”, defendida no ano de 2013. O trabalho foi orientado pela Profª. Drª. Silvana Maria Pintaudi, docente do Programa de Pós-Graduação de Geografia da Unesp de Rio Claro.

A cerimônia de premiação foi realizada no dia 10 de dezembro na sede da Capes em Brasília (DF). O evento contou com a participação do então ministro da Educação, Henrique Paim, e do ministro da Ciência e Tecnologia, Clelio Campolina Diniz, entre outras autoridades, premiados e convidados.

O Prêmio Capes de Tese teve 676 teses inscritas de 21 instituições. Destas, 48 foram premiadas e 85 receberam menções honrosas. A Unesp teve cinco teses premiadas, sendo as demais dos campi de Botucatu, Marília e Bauru. Viegas comenta que a teoria criada por ele em sua foi fundamental para obter a premiação da Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior). “Criei conceitos constelares de criminalidade para analisar se uma cidade é violenta ou não”, explica.

O estudo de caso teve como base os dados de Rio Claro, mas a teoria criada pode ser aplicada em qualquer município. “A pesquisa mostra que as cidades não são inclusivas, criam fronteiras internas, muros e cercas elétricas, mas não impedem que o crime ocorra”, comenta Viegas. Pelo contrário, a tese mostra que quanto mais fortificado, maior é o índice de crimes. Segundo ele, hoje as cidades são formadas por guetos separados por barreiras naturais e artificiais.

Como exemplo, Viegas citou Rio Claro onde uma parcela da população considera os locais públicos perigosos, outra parcela não sai de casa a noite e mais de 30% da população adulta faz uso de psicotrópicos devido ao “modus vivendi” da sociedade. A pesquisa revela ainda que as causas externas, como homicídio e latrocínio, são a principal causa de morte de jovens. Na idade adulta, quando não se tem essa principal causa, as mortes são causadas por problemas do aparelho circulatório como infartos e derrames que também são decorrentes do estresse da vida diária. “Os vizinhos são estrangeiros um para o outro, não há mais sociabilidade. A cidade deixa de ser cidade para se tornar uma região administrativa”, conclui.

A coordenadora do PPG em Geografia da IGCE da Unesp de Rio Claro, Profª. Drª. Darlene Ferreira, avalia que o prêmio representa uma valorização da qualidade das pesquisas realizadas pelo programa.  “É um reconhecimento positivo do trabalho desenvolvido pelo doutorando e mais ainda a valorização da qualidade das pesquisas realizadas na pós-graduação da Unesp de Rio Claro”, comenta. De acordo com ela, por ser um concurso nacional há grande visibilidade para a universidade, o que é academicamente muito importante.

Mais em Notícias: