Maioria é indecisa quanto aos nomes de candidatos em que não votaria

382

Em qual desses candidatos o(a) senhor(a) não votaria de jeito nenhum? Com esta pergunta, a Interativa Pesquisas, em parceria com o Jornal Cidade, avaliou o índice de rejeição aos nomes dos possíveis candidatos a prefeito(a) de Rio Claro em 2020 no cenário estimulado.

A maioria da população entrevistada, 52,75%, afirmou “não saber” em qual dos 12 nomes apresentados não votaria de jeito nenhum. Enquanto outros 22% dos entrevistados responderam não ter rejeição aos candidatos.

Apesar de ter ficado em primeiro lugar na pesquisa espontânea – que o JC divulgou no domingo passado – com 5% das intenções de voto, e com quase 7% das intenções na pesquisa estimulada, alcançando o quarto lugar, o atual prefeito João Teixeira Junior (DEM) ficou com 11,25% dos entrevistados que declararam não votar nele na próxima eleição, à frente dos outros nomes constantes da lista.

O ex-prefeito Du Altimari (MDB) aparece em seguida, com 6,50% de rejeição. A ex-vice-prefeita Olga Salomão (PT) aparece em terceiro com 1,75% de respostas negativas quanto a um voto ao seu nome. Gustavo Perissinotto (PSD), ex-secretário municipal na gestão MDB-PT, aparece com 1,50% de rejeição. O vereador Paulo Guedes (PSDB), que apareceu com 15% de intenções de voto na estimulada divulgada anteriormente, obteve 1,25% de rejeição entre os entrevistados. Valdir Andreeta (PTB), ex-presidente da Câmara Municipal, chega a 0,75% de rejeição.

O atual presidente da Casa de Leis, André Godoy (DEM), a vereadora Maria do Carmo Guilherme (MDB), o vereador Rogério Guedes (PSB) e o vereador Seron do Proerd (DEM) obtiveram 0,50% de rejeição cada. O ex-vereador e médico Geraldo Faria atingiu 0,25% de rejeição, enquanto a vereadora Carol Gomes (PSDB) não teve seu nome citado pelos entrevistados neste cenário, o que representa 0%.

Prefeito

Na avaliação de Alejandro Gonzalez, diretor da Interativa Pesquisas, o índice de 11,25% atribuído ao prefeito Juninho da Padaria não é alto. “11,25% para quem é prefeito não é uma rejeição alta. Para quem é prefeito é normal ter rejeição de 10% a 15%. Neste caso, ele não tem rejeição forte”, disse. De forma geral, com os demais nomes dos candidatos, “não existe uma rejeição grande aos candidatos citados na cidade”, pontua.

Qual sua opinião? Deixe um comentário: