Folhapress

O dicionário Merriam-Webster escolheu nesta segunda (28) aquela que considera a palavra do ano de 2022: gaslighting.

Sem equivalente em português, o termo é descrito pelo mais famoso dos dicionários americanos como “manipulação psicológica de uma pessoa, geralmente por um longo período de tempo, o que faz com que a vítima questione a validade de seus próprios pensamentos”.

O Merriam-Webster aponta, no entanto, que o significado de “gaslighting” tornou-se nos últimos anos ao mesmo tempo mais amplo e mais simples: “ato ou prática de enganar grosseiramente alguém, especialmente para vantagem pessoal”. Segundo o dicionário, houve aumento de 1.740% em buscas por “gaslighting” em 2022.

A palavra surgiu em 1938 em uma peça teatral do dramaturgo britânico Patrick Hamilton. Na trama, que serviu de inspiração para a última obra escrita por Jô Soares, um homem tenta fazer sua esposa acreditar que está enlouquecendo quando ela aponta que a intensidade das luzes da casa está diminuindo.

A impressão da mulher estava correta –o efeito sobre as luzes decorria de atividades misteriosas do marido no sótão–, mas o homem insistia em negar qualquer alteração e buscava convencê-la de que ela não pode confiar em suas percepções.

Nesse contexto, o termo “gaslighting” é frequentemente utilizado para se referir a um tipo de violência de gênero –a manipulação psicológica de mulheres por seus parceiros–, embora essa definição não seja citada pelo Merriam–Webster.

“Ao contrário da mentira, que tende a ocorrer entre indivíduos, e da fraude, que tende a envolver organizações, o gaslighting se aplica tanto a contextos pessoais quanto políticos”, diz o comunicado divulgado no site oficial do dicionário.

O Merriam-Webster exemplifica alguns usos da palavra; o gaslighting médico, em que profissionais da saúde desdenham ou minimizam relatos dos pacientes; o gaslighting como forma de fugir de discussões e nunca admitir erros; e o gaslighting de empresas de combustíveis fósseis que se vendem como parte da solução da crise climática sem alterar seus modelos de negócio.

“Nos últimos anos, com o grande aumento de canais e de tecnologias utilizadas para enganar, gaslighting tornou-se a palavra preferida para a percepção de engano”, diz o Merriam-Webster. “É por isso que ganhou seu lugar como nossa palavra do ano.”

VEJA OUTROS DESTAQUES DO DICIONÁRIO MERRIAM-WEBSTER:

Oligarca: Embora “oligarquia” se refira a um sistema de governo ou gestão concentrado nas mãos de poucos, o que impulsionou as buscas pelo termo em 2022 foi a Guerra da Ucrânia. “Oligarca”, segundo o Merriam-Webster, pode se referir a “classe de indivíduos que por meio da aquisição privada de bens estatais acumulou grande riqueza que é armazenada especialmente em contas e propriedades estrangeiras e que normalmente mantém laços estreitos com os círculos mais altos do governo”. Os exemplos mais frescos são os oligarcas russos, bilionários próximos ao presidente Vladimir Putin.

Ômicron: A 15ª letra do alfabeto grego foi escolhida pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para nomear, em 2021, uma das variantes mais contagiosas do coronavírus. Batizar as diferentes cepas do vírus com letras gregas foi uma estratégia da OMS para, entre outras razões, desvincular as variantes dos países em que elas foram identificadas.

Codificar: Embora pouco utilizada nesse sentido em português, a palavra se refere ao ato de criar uma lei. Segundo o Merriam-Webster, o termo “codify”, em inglês, teve picos de buscas em maio e junho, em decorrência da decisão histórica da Suprema Corte dos EUA, que deixou de reconhecer o acesso ao aborto como direito constitucional.

LGBTQIA: Acrônimo para lésbicas, gays, bissexuais, transsexuais, queer, intersexuais e assexuais, a sigla busca representar diferentes formas de orientação sexual e identidade de gênero -e é frequentemente utilizada acompanhada pelo símbolo “+” para se referir a outras possíveis classificações. O pico das buscas se concentrou em junho, tradicionalmente o mês em que se celebra em vários países o Orgulho LGBTQIA+.

Senciente: Também traduzido do inglês “sentient” como “autoconsciente”, o termo ganhou impulso em junho, quando um engenheiro do Google disse que o chatbot de inteligência artificial da empresa teria adquirido consciência. Blake Lemoine foi demitido pelo Google por violar políticas internas de segurança de dados.

Raid: Traduzido para o português como “incursão” ou mesmo “batida policial”, o termo se refere operações de agentes de aplicação da lei, geralmente sem aviso prévio. A palavra ficou mais popular no Merriam-Webster depois que o FBI, a polícia federal americana, fez uma operação na mansão do ex-presidente Donald Trump, em agosto.

Rainha consorte: A morte da rainha Elizabeth 2ª, em setembro, alçou seu filho mais velho, Charles, ao trono. A esposa do agora rei Charles 3º, Camilla Parker-Bowles, tornou-se automaticamente rainha consorte. Camilla poderia continuar com o título de princesa consorte, como forma de evitar a animosidade que grande parte dos britânicos nutriam contra ela. Neste ano, porém, a própria Elizabeth expressou o desejo de que a nora recebesse o título de rainha consorte quando surgisse a ocasião apropriada.

A sua assinatura é fundamental para continuarmos a oferecer informação de qualidade e credibilidade. Apoie o jornalismo do Jornal Cidade. Clique aqui.

Mais em Dia a Dia:

Rio Claro confirma primeiro caso de dengue neste ano

Acidentes são registrados e motoristas apontam causa