A morte de Lucas de Camargo Caetano, 25 anos, foi lembrada por familiares e amigos em uma manifestação que aconteceu sábado (21), no Parque do Lago Azul.

Com cartazes e flores, o pedido de Justiça foi unânime entre os que participaram. Lucas morreu após ser atingido por um tiro no rosto disparado por um vigia de uma empresa terceirizada que presta serviço para a prefeitura. Na ocasião, um outro frequentador que estava com Lucas também foi atingido com um tiro no rosto e segue internado na Santa Casa de Rio Claro.

“Não queremos que a morte do meu irmão seja esquecida, que ele se torne uma estatística. Queremos que o responsável por esse crime seja punido com rigor, pois meu irmão foi assassinado covardemente. A minha família nunca mais será a mesma”, declarou Amanda de Camargo Caetano.

O vigia que efetuou os tiros após um desentendimento pelo horário de fechamento do parque com os frequentadores foi preso em flagrante no dia do homicídio e liberado na audiência de custódia.

A Polícia Civil segue investigando o caso, ouvindo testemunhas e analisando a regularidade da empresa terceirizada, bem como o treinamento repassado aos funcionários.

A sua assinatura é fundamental para continuarmos a oferecer informação de qualidade e credibilidade. Apoie o jornalismo do Jornal Cidade. Clique aqui.

Mais em Dia a Dia:

Mega-Sena sorteia neste sábado prêmio de R$ 135 milhões

Velo Clube recebe o Oeste pelo Paulistão