Folhapress

Uma explosão foi registrada em um imóvel onde funciona um restaurante, na manhã desta sexta-feira (5), na zona oeste de São Paulo. O acidente ocorreu por volta das 9h45 e deixou oito feridos e um rastro de destruição entre a rua Barão de Tefé e a praça Conde Francisco Matarazzo Júnior, nas proximidades do Allianz Parque, arena do Palmeiras, no bairro da Água Branca, na capital paulista.

Cadeiras, vidros e outros destroços, além de marcas de sangue, foram vistos em frente ao estabelecimento. Carros que trafegavam na rua foram atingidos e tiveram prejuízos, mesmo a metros de distância do local da explosão.

O Corpo de Bombeiros informou que oito pessoas ficaram feridas. Uma das vítimas, um homem de 59 anos, sofreu queimaduras de 2º e 3º grau por todo o corpo, mas estava consciente no momento do socorro e foi encaminhada ao Hospital das Clínicas.

De acordo com testemunhas, ele seria o dono do restaurante Esquina, conhecido como “Seu Carlinhos”. “A roupa não existia. Ele estava falando, consciente e queria voltar para o restaurante, mas não deixaram”, disse uma testemunha.

Segundo o Corpo de Bombeiros, o trabalho da equipe é apenas a interdição dos prédios nos números 75 e 79. A esquina onde houve a explosão na rua Barão de Tefé foi interditada para carros e pedestres.

“Eu estava a 20 metros de lá, inclusive estou com o ombro doendo pelo impacto. Os carros que estavam passando ficaram destruídos, começou a sair um monte de gente de lá ensanguentada, mas eu não sei se teve óbito lá dentro. Eu estava passeando, porque moro na rua de trás, mas foi por sorte que eu não estava bem em frente na hora”, contou o fotojornalista Henrique Sfeir, que registrou imagens no local.

‘FALHA HUMANA’

O funcionário de uma empresa de abastecimento de gás teria errado a conexão em um restaurante vizinho, o que teria provocado a explosão. Em vez de abastecer o prédio do número 79, da rua Barão de Tefé, onde funciona o Mussy Myssy, a empresa acabou “conectando erroneamente no cano do restaurante vizinho”, que já estava com os botijões cheios, afirma o gestor-chefe da Defesa Civil da Lapa, Robson Bertolotto.

“Formou-se uma bolha de gás. Após uma provável ignição, houve explosão, que comprometeu a estrutura do restaurante”, disse Bertolotto. “Só a Polícia Científica poderá confirmar sobre essa ignição, que pode ter sido um fogão ligado ou mesmo a energia elétrica.”

Segundo a Defesa Civil, a Subprefeitura avaliou o local e vai providenciar a limpeza da rua para liberar o tráfego. A responsabilidade por colocar tapume no restaurante é dos proprietários, que podem ser responsabilizados em caso de acidentes.

A Polícia Científica já está no restaurante realizando a perícia.

Moradores da região testemunharam os momentos logo após a explosão no estabelecimento e o atendimento às vítimas. “Elas ficaram com cortes pelo corpo porque foi vidro pra todo lado”, contou ao UOL Bete Rocha, 54, atendente de um café que funciona em uma galeria na mesma rua.

“Era quase 10h quando a gente ouviu um barulho muito forte e saímos pra rua para ver o que aconteceu”, disse Bete. “As pessoas estavam correndo de um lado para o outro.”

A sua assinatura é fundamental para continuarmos a oferecer informação de qualidade e credibilidade. Apoie o jornalismo do Jornal Cidade. Clique aqui.

Mais em Dia a Dia:

Morre, aos 104 anos, o produtor rural José Antonio Botacin

Prefeitura realiza nova ação no viaduto do Cervezão

Rio Claro inaugura dia 18 o Centro de Inovação Tecnológica