Trabalho é desenvolvido na Santa Casa de Misericórdia de Rio Claro

Estar em um leito de hospital não é uma tarefa fácil. Sem dúvida o que todo paciente quer é receber alta e poder voltar para casa mas nem sempre é algo que acontece rápido. Pensando em transformar essa estadia em um momento mais ameno, estudantes de Medicina do Claretiano – Centro Universitário montaram um grupo para visitas e atividades junto aos enfermos.

“O trabalho começou há um mês mais ou menos. Às sextas-feiras tínhamos um tempinho mais livre e resolvemos criar o grupo ‘Happy Friday’ (Feliz sexta-feira) para visitar pacientes, levar uma palavra de conforto, um diálogo diferente da rotina hospitalar. Começamos pela ala dos adultos, pacientes que já estavam a um bom tempo internados. Procuramos saber as músicas que gostavam, ensaiamos e como uma de nós toca violão, fizemos apresentações para eles. Alguns preferiram a leitura da Bíblia. A ideia foi mudar um pouco o dia dos pacientes e o nosso também porque saímos transformadas das visitas”, afirma Adriely Pascon Rigo.

“Eu me emociono toda vez. É muito gratificante ver que essa ação traz um fôlego para quem está ali recebendo. O agradecimento deles é o nosso maior presente e o nosso maior incentivo para dar continuidade”, esclarece Karen Betin.

Já no último sábado (23) a visita foi na ala da pediatria da Santa Casa. A idade dos pacientes fez com que a criatividade das estudantes também aflorasse: “Por serem crianças propomos uma brincadeira para distrair. Levamos um recipiente com água, alguns peixinhos de brinquedo e uma varinha. Quem conseguisse pescar o peixe ganhava um presente. Nesse presente colocamos um desenho para colorir e um brinquedo. Levamos também bexiga e o nosso incentivo às crianças e também aos pais que estavam de acompanhantes”, complementa Karen Betin.

Em um dos quartos, em tratamento por conta de Fibrose Cística, estava o menino Douglas, de nove anos. Ele foi internado no dia 11 de março após complicações e vai permanecer no hospital provavelmente até a segunda semana de abril. Nesse intervalo já passou o aniversário internado e agora vai passar a Páscoa também. Para a mamãe Suelen que o acompanha a ação foi extremamente importante para encorajar o filho: “É aí que a gente vê a diferença, o amor envolvido no trabalho. Se já é difícil pra gente que é adulto estar aqui, imagine para a criança. Receber uma ação como essa aquece o coração e deixa o ambiente mais leve”, afirma a mãe que não escondeu a felicidade ao ver o sorriso estampado no rosto do filho que foi uma das crianças que participou das brincadeiras com as estudantes de Medicina e ganhou presentes.

Mais em Dia a Dia:

Programa combate lentidão na abertura de empresas

Jucielen vence bicampeã nos EUA