Coordenador do CCZ de Rio Claro, Josiel Hebling considera importante que as faculdades focalizem mais a saúde pública

Fabíola Cunha

Coordenador do CCZ de Rio Claro, Josiel Hebling considera importante que as faculdades focalizem mais a saúde pública
Coordenador do CCZ de Rio Claro, Josiel Hebling considera importante que as faculdades focalizem mais a saúde pública

Quando estava na faculdade de Medicina Veterinária, Josiel Hebling imaginava que seu futuro estava em uma clínica veterinária, mas sua trajetória o levou a trabalhar com medicina preventiva e saúde pública. Em 2000, ele passou a atuar no Centro de Controle de Zoonoses de Rio Claro, onde hoje é coordenador.

A profissão, cujo dia é comemorado nesta terça-feira (9), é uma das mais procuradas nas universidades atualmente e, conforme consta no site do Conselho Federal de Medicina Veterinária (www.cfmv.com.br), o Brasil possui 304 instituições de ensino superior com o curso disponível.

Como o veterinário não interage apenas com os animais, mas com seus muitas vezes ansiosos tutores, é preciso desenvolver sensibilidade para atuar na área: “Em 20 anos de experiência aprendi que, na maioria das vezes, basta ser humano. Quando falamos da perda de um animal de estimação, por exemplo, ouvir solidariamente a família, sem julgamentos, é o suficiente, algumas vezes somos as únicas pessoas a compreender como pode ser doloroso perder um animal de estimação”, explica.

Ele garante que é impossível separar por completo o pessoal do profissional, citando como exemplo o grande número de animais abandonados que são adotados por veterinários – ele tem dois animais, frutos de adoção em casa.

Hebling também aponta que a área que seguiu, dentro da saúde pública, mereceria mais atenção dos cursos universitários: “A estrutura do curso visa tradicionalmente a medicina curativa e acaba levando os alunos para área de clínica. Há a necessidade de quebrar alguns paradigmas que percorrem desde o meio acadêmico até as estruturas dos próprios Serviços de Saúde Pública, como já vem ocorrendo com a possibilidade da inclusão do profissional Médico Veterinário dentro dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família (Nasf)”, diz.

Breve história

A Medicina Veterinária moderna, organizada a partir de critérios científicos, começou a desenvolver-se com a primeira escola de Medicina Veterinária do mundo, em Lyon-França, criada pelo hipologista e advogado francês Claude Bougelart, em 1761.

A sua assinatura é fundamental para continuarmos a oferecer informação de qualidade e credibilidade. Apoie o jornalismo do Jornal Cidade. Clique aqui.

Mais em Notícias:

Programa combate lentidão na abertura de empresas

Brasil: número de mortes por ataques de cães cresce 27%