Foto: Rumo Logística

Negociação para definir futuro da área da ferrovia no Centro de Rio Claro começa em janeiro; concessionária pode ficar com a exploração

Questionado sobre os prazos para saída das oficinas da ferrovia da área central de Rio Claro, durante entrevista na Rádio Jovem Pan News na quarta-feira (20), o prefeito Gustavo Perissinotto declarou que as informações vindas da Rumo são de que os prazos serão mantidos, ou seja, em dezembro de 2025 o trajeto será desocupado. Mas começa aqui uma nova batalha. Na entrevista, o prefeito confirmou a possibilidade de a concessionária permanecer ocupando a área em debate, o que vem sendo comentado nos bastidores. De acordo com Gustavo, porém, ainda não há definição, pois as conversas sobre o destino das oficinas serão iniciadas agora em janeiro de 2024. “Não pode ficar abandonada, depois o pessoal toma aquilo e cria um problema”.

O prefeito explica que existem três alternativas: na primeira, a União, que é a proprietária, toma conta do imóvel; na segunda, o município consegue a cessão, podendo implantar projetos de urbanização com a participação da iniciativa privada; e, na terceira, a concessionária explora a área, construindo barracões para locação. “A informação que eu tenho é que o governo federal, a política do Ministério dos Transportes e do DNIT (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes) não é favorável a essa circunstância”, afirmou Gustavo, já reunindo munição para iniciar as tratativas para tentar assumir a imensa área que a ferrovia ocupa no Centro de Rio Claro.

Durante anos, o projeto de transferência das oficinas foi discutido como se a ocupação pelo município viesse logo na sequência, de forma natural: mas parece que o processo terá que ser “a fórceps”.


“Não adianta falar que tem dinheiro, porque não tem. A empresa que está fazendo o canil vai parar porque não está recebendo. Gasolina não tem, porque não está pagando”

vice-prefeito de Rio Claro, Rogério Guedes, falando sobre dificuldades que estariam acontecendo no serviço público devido à falta de pagamento para fornecedores e empresas contratadas
Rogério Guedes nos estúdios da Jovem Pan News de Rio Claro

Alinhavo – Pelos lados da esquerda, as articulações entre PT e PSB evoluíram, depois que João Guilherme, pré-candidato a prefeito, assumiu a presidência do diretório do Partido dos Trabalhadores. Na foto abaixo, em encontro com o presidente do Partido Socialista Brasileiro, Carlo Klain, que, embora ainda não confirme a união das siglas para 2024, destaca que o encontro serviu para troca de “ideias sobre política e o futuro da nossa cidade. Nada afirmado, independente de política, somos bons amigos com um único interesse, o melhor para nossa Rio Claro”. Já João Guilherme declarou que “O PSB é um partido com importância na história do Brasil e essencial para a reconstrução democrática que fazemos no governo Lula. Tem figuras históricas como Geraldo Alckmin e Marcio França, além de destacar lideranças jovens e inovadoras, como Caio França e Tábata Amaral. O diálogo é importante por nossa admiração pelas figuras locais e por ser um grande aliado nacional”.


lll Deu chabu

Ou seja, ficou muito abaixo das expectativas a participação de Rio Claro no Selo Verdeazul. O município ficou com a pontuação mínima para ser qualificado, 40 pontos, ocupando o último lugar entre as cidades certificadas e qualificadas no grupo de população entre 100 mil e 500 mil habitantes. Abaixo de RC, só as que não obtiveram pontuação mínima.

lll Ladeira

A informação, levantada pelo comentarista de política da Jovem Pan News, José Rosa Garcia, só piora quando se comparam os resultados de 2022/2023 com os de 2021, quando o ranking ainda era geral, sem divisão em grupos de acordo com o número de habitantes. Naquele ano, Rio Claro obteve 69,47 pontos, conquistando a 117ª no ranking geral.

lll Na gaveta

Estranhamente, a queda na avaliação sobre meio ambiente acontece numa administração em que até comissão para cuidar dessas premiações chegou a ser anunciada. Nos bastidores, o que se comenta é que, após trocas de comissionados entre as secretarias, a comissão acabou esvaziada, e quem ficou pode ter falhado na hora de preencher a papelada.

Mais em Política: