As informações obtidas no Censo Demográfico 2022 atualizam dados de todo o Brasil, fornecendo suporte a políticas públicas, decisões empresariais, e atualizando os cálculos dos Fundos de Participação Municipal e Estadual. Iniciado em agosto, a previsão inicial para ser encerrado era 31 de outubro, porém as coletas seguem e alguns obstáculos ainda são enfrentados.

“As principais dificuldades que são relatadas a mim são a questão do clima e resistência. Primeiro que para os recenseadores andarem embaixo de um sol de quase 40 graus não é fácil, sem contar nos dias de chuva. Depois tem a questão de que muitos moradores são grosseiros, não atendem direito. A pessoa muitas vezes está em casa e finge que não está. Já outros se recusam a responder, achando que é para o ‘governo A’ ou ‘governo B’, alegando que não quer ajudar ‘político A’ ou ‘político B’, quando na verdade isso não existe”, explica Rodrigo Pucci, coordenador de área do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) que é responsável por Rio Claro, Corumbataí, Ipeúna, Itirapina e Santa Gertrudes.

Ele ainda pontua que, desde o início da coleta de dados, trabalharam o tempo todo com menos de 50% da carga de recenseadores que havia sido disponibilizada: “Muitos acabam desistindo pelas dificuldades que eu já citei, outros porque não conseguiram se adequar ao aplicativo e equipamento utilizado, outros porque recebem proposta de emprego e deixam o censo. De agosto até agora já realizamos seis treinamentos para ir repondo quem íamos perdendo. O fato é que estamos correndo atrás do prejuízo”.

Se o recenseador não passou na minha casa, ainda devo procurar o IBGE?

De acordo com Pucci, na dúvida é possível entrar em contato: “O morador pode ligar no telefone 3534-3644 da agência ou mesmo ir até um dos postos de coleta. Temos um no prédio da Fundação Municipal de Saúde (ao lado da Farmácia Popular – Avenida 2) e outro que fica na Unesp. Nesta reta final iremos fazer também um pente-fino voltando nos moradores ausentes”.

Como o questionário é realizado?

Em cada residência, um questionário é aplicado. O básico possui 26 quesitos (leva em torno de 5 minutos para ser respondido) e o questionário ampliado contém 77 questões (leva cerca de 16 minutos). O que define qual dos questionários você irá responder é um sorteio feito na hora pelo próprio sistema do Censo. O questionário básico é aplicado em cerca de 89% dos domicílios, enquanto o ampliado é respondido em cerca de 11%.

Existe multa para quem se nega a responder?

“Existe uma lei que está atrás de cada crachá do recenseador que obriga a pessoa a responder às pesquisas e ao mesmo tempo nos obriga a manter o sigilo das informações. Seja para o governo, Receita Federal, Justiça, ninguém pode saber. Com a não prestação de informação nos prazos afixados ou a prestação de informações falsas, o infrator ficará sujeito à multa de até 10 vezes o maior salário mínimo vigente no país. O pagamento da multa não isenta da prestação dos dados dentro do prazo fixado no auto de infração lavrado. Ficará dispensado do pagamento da multa o infrator primário que prestar as informações no prazo fixado no auto de infração. É claro que sempre optamos pelo diálogo e explicamos toda a importância do fornecimento de dados”, finaliza Rodrigo Pucci, coordenador de área do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.

A sua assinatura é fundamental para continuarmos a oferecer informação de qualidade e credibilidade. Apoie o jornalismo do Jornal Cidade. Clique aqui.