O Cemitério Municipal “São João Batista” passará nos próximos dias por novas análises para avaliar riscos de contaminação por necrochorume no lençol freático oriunda dos sepultamentos no local. A Prefeitura de Rio Claro contratou nos últimos dias uma empresa especializada que executará o serviço de investigação detalhada em continuidade ao processo que teve origem em 2012 através do Ministério Público que instaurou, na época, uma ação civil para apurar a questão. O contrato atende à solicitação da Secretaria Municipal do Meio Ambiente, no valor de quase R$ 60 mil.

De acordo com o secretário da pasta, Leandro Geniselli, todos cemitérios do Estado de São Paulo foram notificados a proceder tal investigação. “É uma realidade em todos municípios. Foi feita a investigação confirmatória e foi apontado que existia um problema de nitrato no nosso solo, é natural nesse tipo de empreendimento. Agora estamos retomando essa ação e iniciando esse projeto”, explica. Nitrato é uma composição que em alta concentração na água pode ser perigosa para a saúde.

Há alguns anos que o município passou a fazer uso de uma manta funerária em todos os sepultamentos. A ideia surgiu de um projeto de lei apresentado pelo vereador Geraldo Voluntário (MDB), aprovado pela Câmara Municipal, e em vigor desde o fim do ano de 2019, na antiga administração. “Para que a gente possa evitar que o necrochorume possa entrar no solo. Esse material se secar vira um pó e se torna inerte e não tem problema, o problema é entrar em contato com a água no subsolo. A ideia é começar a avaliar, recuperar o que foi feito e verificar a situação como está hoje e ver qual encaminhamento precisa ser feito”, acrescenta Leandro.

Caso seja constatada a ausência de contaminação no solo, esses níveis de nitrato acabam se encerrando. “A ideia é fazer esse monitoramento e ver se precisa de alguma intervenção”, finaliza. A expectativa é de que o nível seja considerado muito baixo diante da utilização da manta funerária absorvente e impermeabilizante de necrochorume para impedir a contaminação do solo.

Manta funerária

A manta envolve o corpo dentro do caixão e o necrochorume que acaba vazando do corpo pelo processo de decomposição natural é absorvido, vira floco de gel e seca, sem possibilidade de ser reidratado e não sai da manta.

A sua assinatura é fundamental para continuarmos a oferecer informação de qualidade e credibilidade. Apoie o jornalismo do Jornal Cidade. Clique aqui.

Mais em Dia a Dia:

Nove estados anunciam Lei Seca para domingo

Aneel mantém bandeira tarifária verde para outubro