Boletim divulgado na quinta-feira (19) pela Secretaria de Saúde de Rio Claro registra o primeiro caso de chikungunya neste ano no município. Trata-se de caso importado de outro município e confirmado nesta semana. A paciente, uma mulher, contraiu a doença em viagem ao litoral norte de São Paulo e passa bem. Não foi necessária hospitalização. O número de casos de dengue permanece em 1.170. Não há casos de zika vírus e febre amarela, doenças também transmitidas pelo Aedes aegypti.

“Com a chegada do período de chuvas a comunidade deve ficar ainda mais atenta e evitar possíveis criadouros do mosquito transmissor”, observa Maurício Monteiro, secretário de Saúde. No combate ao mosquito é fundamental não jogar lixo nas ruas e terrenos e não deixar qualquer quantidade de água acumular, em casa ou na rua.

As ações preventivas continuam sendo realizadas em toda a cidade. O trabalho inclui visitas casa a casa, nebulização e vistorias em pontos estratégicos. Equipes do Centro de Controle de Zoonoses percorrem os bairros e orientam a comunidade sobre a importância de se adotar cuidados preventivos.

Para colaborar na eliminação de criadouros os rio-clarenses contam com coleta de lixo domiciliar em todos os bairros, sete ecopontos, coleta seletiva de lixo e serviço mensal de cata bagulho.