“Este medicamento é contraindicado em caso de suspeita de dengue. Ao persistirem os sintomas, um médico deverá ser consultado.” A frase citada há anos em propagandas de analgésicos e anti-inflamatórios precisa ser sempre lembrada, principalmente na atual epidemia de dengue.

Febre, dores no corpo, na cabeça e atrás dos olhos, além de fadiga, são os primeiros sintomas da dengue, e costumam ser tratados com estas medicações. Porém, algumas delas (veja os exemplos abaixo) podem agravar os sintomas da doença, caso se confirme o diagnóstico. Sendo assim, é importante saber detectar uma suspeita de dengue, que envolve notar se há outros casos em pessoas próximas ou na vizinhança, além de observar atentamente o conjunto de sintomas.

Outro ponto importante é entender que frutas cítricas, vegetais, chá de folhas e suplementos vitamínicos não são capazes de tratar ou curar a dengue. O motivo? Porque não há comprovação científica sobre isso.

“Não existe nenhum tratamento específico que aborde o vírus dengue e seus quatro subtipos, que diminua a intensidade dos sintomas, que evite a progressão da forma mais grave e a morte pela doença”, afirma o infectologista e gestor médico de Desenvolvimento Clínico do Butantan, Erique Miranda.“Tomar uma medicação não indicada, além de não ter eficácia, pode retardar a procura pelo serviço de saúde e arriscar sua vida”, ressalta.

A melhor forma de prevenir a doença é a vacinação. O Butantan desenvolve uma candidata vacinal contra dengue, a Butantan-DV, que está em fase final de ensaios clínicos. Sua fórmula com os quatro vírus da dengue atenuados, de dose única, demonstrou uma eficácia média de 80% em artigo publicado na revista The New England Journal of Medicine. O estudo está previsto para ser finalizado em junho de 2024.

1- Por que ivermectina não cura a dengue?

A Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Ministério da Saúde não incorporaram a ivermectina em seus protocolos contra a dengue. Sendo assim, não há recomendação do uso da ivermectina para evitar e tratar a doença.

A ivermectina é uma medicação vermífuga que chegou a ser avaliada em pesquisas básicas e estudo clínicos com amostragens pequenas, por conta do seu potencial de medicação antiviral, mas sem sucesso. Nenhum destes estudos demonstrou resposta clínica contra a dengue, ou seja, algum benefício para a saúde de quem estava com a infecção. Embora a medicação tenha mostrado algum efeito em diminuir a carga viral, não resultou em redução do tempo de sintomas e das complicações graves causadas pela doença. Em suma, os estudos mostram alguma atividade antiviral, porém não relacionada a benefício clínico contra a dengue.

2- Existe algum alimento que pode prevenir ou curar a dengue?

Não há comprovação científica de que o consumo de alimentos, como frutas, legumes e verduras, ou qualquer outro tipo, seja eficaz na prevenção da dengue ou na redução de seus sintomas. Faltam estudos clínicos que estabeleçam uma quantidade segura ou a restrição alimentar para pessoas com quadro de dengue clássica (sem gravidade), com sinais de alerta ou dengue grave.  Os resultados inconclusivos abrem espaço para “opinião de especialista”, sem rigor científico.

3- O consumo de vitaminas pode prevenir a dengue?

Falta literatura suficiente que ligue a eficácia do consumo de micronutrientes, como vitaminas, no combate à infecção pelo vírus da dengue ou como repelente do vetor. Os estudos revisados têm limitações significativas, incluindo amostras pequenas, e não trazem detalhes de qual seria a dose de suplementação ou restrição adequada. Por isso, o consumo de vitaminas não pode ser considerado um método preventivo.

Neste caso, deve-se considerar o uso de repelentes aprovados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para prevenir picadas do mosquito Aedes aegypti, principal vetor dos quatro sorotipos da dengue.

4- Quais medicamentos podem ser usados em caso de suspeita ou diagnóstico de dengue?

O principal tratamento da dengue clássica envolve tomar bastante líquido (de 60 a 80 ml por kg de peso), porque uma das características do vírus é retirar líquidos dos vasos sanguíneos. Para combater as dores no corpo e a febre, dois medicamentos são indicados: paracetamol e dipirona.

Se surgirem outros sintomas, como dores abdominais intensas, vômitos excessivos que impedem a hidratação e a alimentação, hipotensão, diminuição da quantidade de urina e sangramentos nasais e gengivais, é imprescindível procurar atendimento médico imediato. Estes sintomas indicam que a doença está se agravando.

No hospital será possível avaliar a possibilidade do diagnóstico de dengue ou de outras infecções virais semelhantes, bem como avaliar a gravidade da doença com a prova do laço (exame que testa a fragilidade dos vasos sanguíneos) e exames de sangue do tipo NS1, RT-PCR e IgM e IgG. Quanto antes o tratamento for iniciado, melhor.

Se o paciente tiver condições de ir de alta, deve receber orientações da hidratação (60-80mL/kg), além dos remédios para conter os sintomas e informações acerca dos sinais de agravamento da doença, que podem ocorrer entre o terceiro e o quinto dia de doença.

5- Em caso de confirmação de dengue, quais medicamentos devem ser evitados?

No tratamento da dengue clássica devem ser evitados os anti-inflamatórios não esteroidais (ibuprofeno, diclofenaco, ácido acetilsalicílico, ácido salicílico, diflunisal, salicilato de sódio, metilsalicilato) e os corticoides.

6- Por que estes remédios podem trazer malefícios?

Os anti-inflamatórios não esteroidais podem favorecer sangramentos e o aumento da acidez no sangue (acidose). Isso acontece porque eles reduzem a agregação das plaquetas, responsáveis pela coagulação do sangue, e costumam ser recomendados para pacientes cardíacos ou pós-acidente vascular cerebral para “afinar o sangue”. Porém, em pacientes com dengue que apresentem fragilidade dos vasos sanguíneos, tomar anticoagulantes pode acelerar o surgimento de hemorragias.

Pacientes que usam anticoagulantes regularmente devem consultar um médico imediatamente em caso de suspeita de dengue.

O uso do ácido acetilsalicílico, além de afinar o sangue, pode também alterar o seu pH em doses mais altas, deixando-o mais ácido. Associada à redução abrupta dos líquidos dos vasos sanguíneos, que também modifica a acidez do sangue, essa alteração pode causar a acidose metabólica, que pode levar à insuficiência em vários órgãos e até à morte por choque e sangramentos.

Já o uso de corticoide tem a tendência de reduzir a resposta imunológica do organismo e de aumentar o risco de sangramentos. Para pacientes com dengue, este é mais um fator de risco para o agravamento da doença.

7- Como diferenciar os sintomas da dengue clássica da dengue com sinais de alarme e dengue grave?

Dengue clássica: consiste em um conjunto de sintomas entre os quais se destacam a febre, geralmente alta (39°C a 40°C), de início abrupto, associada à cefaleia, fraqueza muscular, dor muscular, nas articulações e atrás dos olhos, com presença ou não de manchas vermelhas na pele. Podem ocorrer náuseas, vômitos e diarreia entre dois a seis dias.

Dengue com sinais de alarme: entre o terceiro e quinto dia, podem surgir sintomas mais preocupantes. Nesta fase, a febre cede e pode ocorrer dor abdominal intensa, vômitos, queda brusca da pressão arterial, hepatite viral, diminuição da urina, queda abrupta na quantidade de plaquetas, sangramento de mucosas e de outras partes do corpo, como nariz, útero e gengivas. Algumas vezes vômitos excessivos impedem a alimentação, particularmente em quadros mais graves de dengue. Portanto, a baixa aceitação alimentar é um sinal de gravidade.

Dengue grave: esta nomenclatura está associada à fase mais crítica da doença. É quando ocorre o extravasamento do plasma sanguíneo, que causa hemorragias severas e pode acarretar o comprometimento de órgãos, evoluindo para um quadro de choque e até levar a óbito.

8- Qual o momento certo para procurar atendimento médico?

É fundamental buscar atendimento médico para o tratamento adequado quando se notar a presença de febre acima de 38°C, sobretudo se estiver associada a dor de cabeça, dor no corpo e nas articulações, mal-estar, fadiga, perda de apetite, náuseas, vômitos e manchas vermelhas pelo corpo. A doença pode ser confundida com outras arboviroses, como chikungunya e zika, o que torna mais difícil o diagnóstico. Quando se notam sinais de alarme, a procura por atendimento deve ser imediata.

A sua assinatura é fundamental para continuarmos a oferecer informação de qualidade e credibilidade. Apoie o jornalismo do Jornal Cidade. Clique aqui.

Mais em Dia a Dia:

Programa combate lentidão na abertura de empresas

Jucielen vence bicampeã nos EUA