Suspeita de dengue aumenta procura por hospitais

137

Carine Corrêa

EPIDEMIA: unidades recebem mais pacientes com quadro sintomático da dengue
EPIDEMIA: unidades recebem mais pacientes com quadro sintomático da dengue

Rio Claro vive quadro epidêmico em relação à dengue e, com isso, a movimentação nas unidades de saúde aumentou. Quem está sob suspeita da doença relata as dificuldades que enfrenta na demora pelo atendimento nos hospitais públicos.

A reportagem do Jornal Cidade esteve na tarde dessa terça-feira (24) na Unidade de Pronto-Atendimento (UPA) e no Pronto-Atendimento (PA) do bairro Cervezão. Em ambas unidades, pacientes se queixam do tempo de espera para a consulta.

>>> RC terá centro de triagem para pacientes com dengue

Na UPA 24h, Fabrizio Baungartner contou que acompanhava o pai para ser atendido por um médico. Ele ainda se queixou sobre a falta de ações da prefeitura nos programas de prevenção à proliferação do mosquito da dengue. “Moro no bairro Cervezão e não vi nenhuma ação do poder público naquele local até o momento. Não vi agentes e não recebi nenhum panfleto de orientação”, criticou.

Luciana Cruz, morada do bairro Mirassol, está há três dias com quadro sintomático da dengue e esperava havia 40 minutos por atendimento. “Estou com dores no corpo, desconforto intestinal e dor de cabeça. Pior ainda é ficar esperando nesta situação”, comentou.

O jovem Natanael Corazza aguardava pela consulta na parte externa da UPA. Morador do Distrito de Ajapi, ele contou junto à mãe que ficou esperando no dia anterior das 11h às 17h. Mãe e filho relataram que havia muitos pacientes na unidade na segunda-feira.

No PA do Cervezão, uma mulher também se queixou do tempo de espera. “Na segunda fiquei no PA das 19h à 00h. Quando a sala de espera está vazia, pode ter certeza de que lá dentro está cheio”, diz a moradora do Parque Universitário.

>>> Morte de mulher por causa desconhecida abre suspeita de novo caso de óbito por dengue

Jara Vicentin reclama do sol que traz desconfortos aos pacientes na sala de espera. “As pessoas já estão doentes e ainda precisam enfrentar esse tipo de problema”, alertou.

A coordenadora do Programa Municipal de Combate à Dengue, Katia Curado Nolasco, informou em outra oportunidade que a inspeção dos agentes está concentrada nos bairros que apresentam mais casos. “Nesses locais, a inspeção dos agentes está sendo mais intensa, embora eles percorram todos os bairros”, salientou.

A Fundação Municipal de Saúde (FMS) informou que as unidades dos bairros estão preparadas para atender as pessoas com sintomas de dengue. “A FMS solicita que a população utilize esse serviço para não sobrecarregar o setor de emergência. A UPA e o PA do Cervezão estão recebendo um número muito grande de pacientes com sintomas de dengue e isso tem provocado problemas no atendimento de emergência. Na segunda-feira (23) essas unidades ultrapassaram em muito a capacidade de atendimento. A pessoa só deve procurar a UPA e o PA Cervezão se os sintomas se agravarem”, disse em comunicado.

1 COMENTÁRIO

  1. Aqui no bairro Jd. Floridiana os terrenos baldios estão todos com mato alto e muita sujeira, é de lá que vem os mosquitos da dengue, o bairro todo esta COBERTO DE MATO, mas parece que todos que trabalham na prefeitura são cegos, não adianta catar mosquito em latinhas enquanto tem terrenos baldios sujos proliferando milhões deles.

Qual sua opinião? Deixe um comentário: