Rio Claro deverá perder, de forma definitiva até 2025, a oficina de vagões da concessionária Rumo. A reportagem do Jornal Cidade teve acesso ao contrato de concessão entre a empresa e a ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) que não garante ou especifica em seus termos anexos que a oficina será transferida do Centro para o Jardim Guanabara. Em comunicado ao JC, a empresa confirmou que o projeto de transferência elaborado foi estabelecido fora do município de Rio Claro.

“A Rumo esclarece que o contrato de renovação prevê a remoção da oficina da área central de Rio Claro, medida que visa melhorar a mobilidade e reduzir os conflitos urbanos no município. Estudos para definir um novo local foram feitos considerando a abrangência da malha ferroviária, disponibilidade de áreas, fornecimento de insumos e critérios operacionais e técnicos. No processo de renovação, a operadora tinha um prazo de apenas um ano para protocolar o projeto de uma nova oficina de vagões, esse projeto foi estabelecido fora do município de Rio Claro. Todos os documentos foram protocolados junto à agência reguladora e o cronograma está seguindo as obrigações previstas em contrato”, informa.

O contrato ao qual o JC teve acesso diz em uma das cláusulas que “a concessionária implantará, até o fim de 2025, uma oficina de manutenção de vagões e equipamentos com vistas à transferência da oficina de Rio Claro para localização a ser definida pela concessionária”, sem citar o bairro Jardim Guanabara, tampouco o próprio município de Rio Claro. Hoje contando com 210 colaboradores diretos e terceiros, a oficina da concessionária Rumo era prevista para ser transferida para o Jardim Guanabara há anos. Nos bastidores, fala-se que a nova oficina poderá ser instalada em Araraquara, onde já há estrutura da empresa.

Em 2018 e 2019, a Câmara Municipal aprovou alteração no Plano Diretor do Município, a pedido do Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes), para alterar a área de zoneamento no Jardim Guanabara para industrial para que o local recebesse a estrutura necessária para os galpões de manutenção.

Imbróglio

Há anos que a transferência da oficina do Centro para o Jardim Guanabara era articulada junto à Rumo e o Governo Federal.

Sindicato alerta para perda e convoca mobilização

Diante da possibilidade de Rio Claro perder a oficina da Rumo, o Sindicato dos Trabalhadores em Empresas Ferroviárias Paulistas (Sindpaulista), que tem sede no município, convoca mobilização da população em geral e da classe política para que seja revisada essa alteração na previsão de transferência.

“É uma ‘bomba nuclear’. A ferrovia está há mais de 100 anos na cidade. A Rumo tem a concessão. Quando foram retirados os trilhos anos atrás, foi indicado que a transferência da oficina ocorreria para esse bairro. Mas o que não está no contrato não se faz. Havia uma previsão, apenas”, diz o vice-presidente da entidade, Ariovaldo Bonini.

O ferroviário alerta que é necessária uma força política para que Rio Claro não seja prejudicada com a perda da oficina, consequentemente dos empregos e da própria memória da ferrovia, que remonta ao município desde a sua industrialização. “Agora é uma decisão política. Têm soluções para resolver isso, mas é preciso trabalhar politicamente”, acrescenta. Bonini estará ao vivo, a partir das 8h desta segunda-feira (16), na Rádio Jovem Pan News Rio Claro AM 1410 para falar do assunto.

A sua assinatura é fundamental para continuarmos a oferecer informação de qualidade e credibilidade. Apoie o jornalismo do Jornal Cidade. Clique aqui.

Mais em Dia a Dia:

Prefeitura fecha trânsito na Av. Amaral Gurgel domingo

Rio Claro poderá ter projeto de natação para 1.000 crianças

Rio Claro tem três novos casos de dengue