Imagem ilustrativa

Ontem, quarta-feira (20), a cidade de Rio Claro completou 50 dias sem chuvas significativas (acima de 10 milímetros). A informação é do Centro de Análise e Planejamento Ambiental (Ceapla/Unesp/Prefeitura). De acordo com os dados oficiais, a última chuva acima dos 10 mm ocorreu em 31 de maio, com 21,5 mm.

“Fizemos uma análise até a próxima terça-feira (26) e não há previsão de chuvas. Muito provavelmente iremos terminar o mês de julho no zero, sendo que a média aguardada é de 26,4 milímetros. O último ano em que não choveu no mês de julho foi 2017. Já no ano passado fechamos o mês em 21,4 milímetros”, explicou o técnico Carlo Burigo.

O tempo seco agrava uma realidade que preocupa a população: as queimadas e incêndios. Pensando nisso, por meio de requerimento aprovado por unanimidade pela Câmara Municipal, na sessão ordinária da última segunda-feira (18), o vereador Val Demarchi (União Brasil) aprovou o envio de ofícios para que a Polícia Ambiental e o Ministério Público Ambiental tomem conhecimento da situação preocupante e apurem as causas de ocorrências desta natureza.

Para retratar a triste situação, Val Demarchi citou o incêndio ocorrido na quarta-feira, 13 de julho deste ano, em um canavial localizado na divisa entre Rio Claro e Santa Gertrudes. “As chamas foram registradas na região entre o bairro Parque Flórida e a Floresta Estadual Edmundo Navarro de Andrade, mais conhecida como Horto Florestal”, citou o vereador. “Foi o segundo incêndio na região em menos de cinco dias. Relatos de moradores indicam que as fuligens resultantes da queima se expandiram por diversos bairros da cidade”, acrescentou o parlamentar ao solicitar intervenção imediata das autoridades competentes que atuam em defesa do meio ambiente.

A sua assinatura é fundamental para continuarmos a oferecer informação de qualidade e credibilidade. Apoie o jornalismo do Jornal Cidade. Clique aqui.

Mais em Dia a Dia:

Prefeitura implanta valeta na Rua 21 com Avenida 18

Handebol de Rio Claro fecha semestre com saldo positivo