O Núcleo de Pesquisa Musculoesquelética (NuPeM), do Departamento de Fisioterapia (DFisio) da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), está convidando voluntários para estudo que pretende avaliar o nível de atividade física em pessoas com artrose de joelho. O projeto é desenvolvido por Vinicius Bianquini, graduando em Fisioterapia, sob orientação de Luiz Fernando Approbato Selistre e colaboração de Stela Márcia Mattiello, docentes do DFisio. A pesquisa tem apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).

A osteoartrite, ou artrose, como é conhecida popularmente, é uma doença caracterizada por desgaste da cartilagem das articulações, sendo o joelho a articulação mais comumente afetada. Juntamente com o desgaste, a pessoa pode apresentar dor e inflamação, dificultando a realização de atividade física e até mesmo tarefas do dia a dia. Considerando que a realização de atividade física é importante para a prevenção e, também, para minimizar as consequências do desgaste, esse estudo tem como objetivo avaliar o quanto a pessoa é ativa (nível de atividade física), além de orientar os participantes sobre a quantidade, tipo e frequência ideal para a prática de exercícios.

“O exercício físico é uma das melhores formas de prevenir o avanço da artrose e melhorar a dor e a capacidade de realizar tarefas diárias. Além disso, torna a pessoa mais saudável, aumenta sua qualidade de vida, reduz o risco de quedas, de doenças como a osteoporose e de doenças cardiovasculares, e prorroga a necessidade de prótese de joelho”, relata o pesquisador. De acordo com Bianquini, a prática de atividade física é muito recomendada para pacientes que têm artrose no joelho, mas a medida e a implementação dos exercícios devem ser supervisionadas por profissionais.

O pesquisador explica que os resultados do estudo fornecerão medidas objetivas de nível de atividade física de pessoas com artrose de joelho e, dessa forma, “podem possibilitar a prescrição de exercícios específicos para cada participante, de acordo com sua condição”.

Para desenvolver a pesquisa, estão sendo convidados voluntários, homens ou mulheres, a partir de 45 anos, e que tenham diagnóstico de artrose/dor no joelho. Os voluntários não podem ter feito cirurgia ou procedimentos invasivos no joelho há menos de seis meses e não podem ter o Índice de Massa Corporal (IMC) maior que 35 kg/m². Os participantes usarão um dispositivo na coxa por sete dias, que irá avaliar o número de passos, quantidade de horas dormidas, quantidade de horas em pé e sentado, além de uma avaliação funcional com diversas atividades diárias (sentar e levantar, caminhar, subir e descer escadas). Além disso, os participantes serão avaliados seis meses depois para verificar se houve mudanças ao longo do tempo no seu nível de atividade física.

Interessados em participar devem preencher este formulário eletrônico (https://bit.ly/3xoQ9KZ) até o dia 30 de setembro. Dúvidas podem ser esclarecidas pelos telefones (13) 99722-8031 ou (16) 99755-2103 e pelos e-mails [email protected] e [email protected] Projeto aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da UFSCar (CAAE: 43321821.90000.5504).

A sua assinatura é fundamental para continuarmos a oferecer informação de qualidade e credibilidade. Apoie o jornalismo do Jornal Cidade. Clique aqui.